Releitura de canções piratas em 'Son of Roge?s Gallery'

O produtor Hal Willner é especialista em releituras inusitadas. Desde os anos 80, sua discografia repensa o gênero com tributos de alto nível a nomes tão díspares quanto Thelonious Monk e Walt Disney. Basta ouvir sua produção do tema dos sete anões, cantado por Tom Waits, no disco Stay Awake: Reinterpretations of the Music of Walt Disney (infelizmente fora de catálogo, mas com faixas disponíveis no YouTube) para compreender o patamar artístico em que transita. Na faixa em questão, Waits transforma Heigh Ho em um hino bêbado e sombrio à labuta mineradora; canta o clássico infantil como se integrasse uma gangue de presidiários acorrentados a uma estrada de ferro. No mesmo disco, Sun Ra interpreta Pink Elephants on Parade, de Dumbo, com um balanço doidivanas - perfeito acompanhamento para a lisérgica cena do filme. Por fim, uma intimista Sinead O? Connor dá a cereja ao tributo em versão folk, voz e violão de Someday My Prince Will Come, também de Branca de Neve e os Sete Anões.

AE, Agência Estado

07 de março de 2013 | 09h49

Combinações inesperadas estão no cerne da discografia de Willner. Quando não produzem algo mirabolante, valem simplesmente pela curiosidade e audácia com que são concebidas. Weird Nightmare: Meditations on Charles Mingus, traz interpretação de Keith Richards para o blues Oh Lord Don?t Let Them Drop That Atomic Bomb on Me, e uma leitura sem melodia ou ritmo de Gunslinging Birds, feita pelo rapper Chuck D. Um grupo de feras, como Branford Marsalis e Carla Bley tocam em seu tributo a Nino Rota; Peter Frampton participa de sua homenagem a Thelonious Monk.

Outros discos - com a música de Kurt Weill ou Harold Arlen - também retratam o talento de Willner para escalar combinações de repertório e intérpretes efervescentes, além de seus trabalhos com as poesias de William Burroughs e Alan Ginsberg.

O último dessa linhagem é Son of Rogue?s Gallery, uma coleção de cantigas de piratas interpretada por músicos que vão de Patti Smith a Tom Waits. O disco chega ao mercado por meio da gravadora ANTI. Trata-se de uma continuação de Rogue?s Gallery, de 2006, disco que surgiu de uma ideia de Johnny Depp e Gore Verbinsky, diretor de Piratas do Caribe, na época em que o blockbuster estava em alta. Embora ambos os discos sejam frutos de uma empreitada cinematográfica maximalista, a escalação não abre mão do elenco cult e variado de sempre.

No primeiro Rogue?s Gallery os músicos foram de Bono, Bryan Ferry e Sting ao guitarrista de jazz Bill Frisell e o ator John C. Reilly. O novo traz Waits e Shane Macgowan, dos Pogues, entre outros, com um line-up menos galáctico mas igualmente interessante. O disco é composto por 36 faixas, uma quantidade anormal, mas não entediante, se considerarmos a média de dois minutos por faixa. No repertório, pincelado através de uma extensa pesquisa feita por Willner, obscenas cantigas de trabalho, refrões de taverna, e o pugilismo lírico do métier.

VÁRIOS ARTISTAS - Son of Roge?s Gallery - ANTI, US$ 14,88 (Amazon)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaSon of Roge?s Gallery

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.