Rei da paródia italiana volta em edição dupla

Quando Mario Monicelli morreu, todos os redatores de necrológios lembraram que, no começo de sua carreira, ele formou dupla com Steno. Era o pseudônimo de Stefano Vanzina. Steno morreu em 1988. Não goza de muita estima entre os críticos. As virtudes de Filha do Desejo, Guardas e Ladrões e As Infiéis costumam ser atribuídas exclusivamente a Monicelli. É exagero. Na fase solo, Steno podia ser menos ambicioso, mas ele fez rir a todo mundo. As comédias italianas não teriam sido tão divertidas sem sua série com Totò.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2011 | 00h00

Por volta de 1960, a exemplo do que Carlos Manga fazia na Atlântida, Steno celebrou na Itália uma estética da paródia. Se Billy Wilder fez Quanto Mais Quente Melhor, ele retrucou com Quanto Mais Frio Melhor. Nas pegadas do Alfred Hitchcock de Psicose, propôs Psycosissimo. Dois lançamentos da FlashStar trazem de volta o humor popular de Steno. Um dos filmes é justamente Psycosissimo, com o jovem Ugo Tognazzi e Raimondo Vianello. O outro é Minha Avó Policial, com Tognazzi (de novo) e a lendária Tina Pica, uma comediante cuja fama, para os italianos, é comparável à de Totò.

O ponto de partida de Psycosissimo não poderia ser mais banal. Três atores fracassados, dois homens e uma mulher, especializam-se em peças sobre crimes, mas elas nunca são vistas. O trio ensaia uma nova proposta que pretende apresentar a um produtor. São vistos através da janela - A Janela Indiscreta - por um vizinho que pensa que são assassinos de verdade. A confusão está formada e Steno aproveita para reencenar, com humor, momentos assustadores de Psicose.

Minha Avó Policial conta a história de um neto dedicado, mas que justamente por isso enfrenta um problema muito sério - sempre que ele tenta se casar, a avó arruma uma dificuldade. Ela é viúva de um soldado e não se desliga do medalhão com o retrato do ex-marido. Quando o medalhão desaparece, a velha decide encontrá-lo a qualquer preço. A napolitana Tina Pica nunca é menos que hilariante no seu humor com origem na commedia dell"arte. Rainha do palco, ela teve papéis importantes na série Pão, Amor e... e em Ontem, Hoje e Amanhã, seu último filme, de Vittorio De Sica, estrelado pela dupla Sophia Loren/Marcello Mastroianni.

Talvez o maior sucesso solo de Steno tenha sido Meu Filho Nero, paródia das superproduções históricas (e bíblicas) de Hollywood, que ele fez em 1956 com Alberto Sordi no papel do imperador romano e Gloria Swanson, a inesquecível Norma Desmond de Crepúsculo dos Deuses, como sua mãe. O filme ainda tinha uma jovem e bela atriz que na época era pouco conhecida, mas La Loren, dentro de mais alguns anos, viraria a mais internacional das grandes estrelas da Itália.

Não são poucos os críticos que ousam comparar Meu Filho Nero às paródias de Suetônio e Tácito. Talvez seja exagero dizer que Steno foi grande, mas a verdade é que ele foi, sim - pontualmente. Tempi Duri per i Vampiri é uma sátira hilariante das produções da Hamer e Cinema d"Altri Tempi é (quase uma) obra-prima. Em 1962, Steno fez no Brasil, com Walter Chiari e Sylva Koscina, Copacabana Palace.

PSYCOSISSIMO

(Itália).

Direção: Steno

Distribuição: FlashStar

Preço: R$ 32,90

MINHA AVÓ POLICIAL

(Itália).

Direção: Steno. Distribuição: FlashStar

Preço:R$ 32,90

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.