Reflexos do inconsciente

Em ano de lançamento de seu primeiro livro de prosa e de tradução para o inglês, 37 telas de Rodrigo de Souza Leão vão para museu

ROBERTA PENNAFORT / RIO , O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2012 | 03h12

Em novembro passado, quando abriu a pequena, porém ruidosa exposição de Rodrigo de Souza Leão (1965-2009) no Museu de Arte Moderna do Rio, o curador de sua obra, o poeta e ator Ramon Mello, ouviu mais de uma vez: "Quero comprar um quadro, tem para vender?".

A resposta, naturalmente, foi negativa. Não fazia sentido desmembrar a coleção, de pouco menos de 60 óleos, que complementa e empresta ainda mais sentido à produção literária de Rodrigo, e que trata de suas questões mais íntimas: a convivência com a esquizofrenia, os remédios, religiosidade, sexo, vida, morte.

"Rodrigo é beato. Acredita em Deuses. Cristo. Iemanjá. Apolo. Afrodite. Exu. Afrodite. Mickey Mouse. Chaves", se autodefinira, em Me Roubaram Uns Dias Contados. Foi o último livro, lançado no primeiro aniversário de sua morte pela Record. Ele sofreu um ataque cardíaco durante uma internação voluntária. Tinha 43 anos e muito a imaginar.

Semana passada, 37 telas, que estavam com a família no mesmo apartamento entre a Lagoa e Copacabana onde haviam sido pintadas, foram doadas ao Museu de Imagens do Inconsciente. Fundado numa pequena sala há 60 anos pela médica Nise da Silveira (1905-1999), pioneira no uso terapêutico da arte em substituição a métodos violentos, como o eletrochoque, o museu é ligado à Secretaria Municipal de Saúde.

Localizado no Engenho de Dentro, distante do circuito de museus e galerias do centro e da zona sul, a instituição, cara a estudantes de áreas como artes e psicologia, abriga obras de ex-pacientes psiquiátricos, como Fernando Diniz, Adelina Gomes, Emygdio de Barros e Rafael Domingues - talentos depois reconhecidos pela crítica. As telas de Rodrigo se juntam a um acervo de 350 mil obras, o maior do mundo entre os nascidos em hospitais do gênero.

"Rodrigo achava Nise maravilhosa, via a importância do trabalho dela. A arte também o salvou", conta Ramon. A ideia inicial, sua e da família de Rodrigo, era doá-las, assim como seus escritos e 100 disquetes, à Casa de Rui Barbosa (a fundação carioca mantém acervos de escritores como Clarice Lispector e Carlos Drummond de Andrade).

Como não havia espaço, decidiu-se que a parte literária iria para lá, e os quadros, para o museu. Além das 37, estima-se que existam, dispersas, mais 20, presenteadas a amigos. "Ele sai do estereótipo de louco, é um poeta, e a obra está além das questões psiquiátricas", diz Ramon.

A pintura o moveu nos últimos três meses de vida, quando frequentou a Escola de Artes Visuais do Parque Lage. A indicação foi do padrinho, o crítico de arte Paulo Sergio Duarte, para quem suas telas são aparentadas da chamada Geração 80, "superiores, sob todos os pontos de vista, a muitas coisas que circulam por aí no mercado de arte contemporânea", como escreveu para a mostra do MAM.

Rodrigo pintou freneticamente. As aulas o fizeram sair de casa, depois de 20 anos trancado em seu mundo interior - era pela internet que se comunicava com o lado de fora. É na rede, principalmente, que suas palavras reverberam. Em www.lowcura.blogspot.com, o último poema está no ar: "Tudo é pequeno/ A fama/ A lama/ O lince hipnotizando a iguana/ O que é grande/ É a arte/ Há vida em marte".

Nas telas, expunha a mesma lucidez que espantava o padrinho nas conversas telefônicas - "uma lucidez que chegava a queimar". Fazia máscaras, cristos, o antipsicótico Haldol, com o qual convivia desde que, aos 24 anos, fora diagnosticado esquizofrênico-paranoico, e que, em seus textos, virava personagem.

Fazia citações, como em A Insustentável Leveza do Elevante, e tirava sarro: Só Vou Morrer Se Eu Ganhar o Prêmio Nobel, intitulou o quadro no alto dessa página. O MAM foi o primeiro museu a lhe dar espaço. No Museu de Imagens do Inconsciente, seu infinito particular estará a salvo.

Os lançamentos literários não se esgotaram. Pela Record, no segundo semestre, sai o primeiro livro de prosa, Carbono Pautado, de meados dos anos 90. É um texto bem-humorado, diferente por não ser tão poético (leia trecho ao lado). São sete os livros físicos, e dez e-books de poesia, que deverão ser reunidos em antologia, junto com o conteúdo do blog.

O mais conhecido é Todos os Cachorros São Azuis (2008), finalista do Prêmio Portugal Telecom de 2009 transformado por Ramon em peça encenada no Rio ano passado. Ele procura teatro em São Paulo. O ator Cauã Reymond comprou os direitos para levá-lo ao cinema. A editora inglesa And Other Stories vai lançá-lo em inglês. Estão inéditos livros de contos, com o pseudônimo feminino de Romina Conti, e o infantil Brincar de Viver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.