'Redescobri o amor'

'Redescobri o amor'

Em missão comercial no Brasil, Joachim Holger, príncipe da Dinamarca, fala à coluna Direto da Fonte sobre monarquia, negócios, divórcio e suicídio em seu país

Débora Bergamasco, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2010 | 00h00

"O príncipe chegará às quatro e meia em ponto", avisou o publicitário dinamarquês Jens Olesen sobre Sua Alteza Real Joachim, da Dinamarca. Mesmo com o trânsito de SP? "Sim, mesmo com o trânsito", confirmou ele. Errou. Foi com atraso de quase meia hora que o sorridente monarca chegou ao hotel Renaissance, com sua cara metade, a princesa Marie Cavallier, na tarde da última segunda-feira. Veio ao Brasil - pela segunda vez, depois de 19 anos - para cumprir uma semana de compromissos oficiais. Além da capital paulista, visitou também o Paraná, o Amazonas e o Rio de Janeiro, visitando a Rio Oil & Gas e os estandes das quase 20 empresas dinamarquesas que lá expunham. Escolhendo muito bem cada uma de suas palavras, o príncipe conversou com a coluna por 30 minutos cronometrados.

Qual é o papel hoje da Família Real na Dinamarca?

Nós representamos o nosso país quando vamos ao exterior, como agora, por exemplo. E lá, representamos nossa família não só em compromissos oficiais, mas também em projetos sociais e culturais.

Há resistência à monarquia?

Com certeza. Nem poderíamos esperar que em uma sociedade moderna tivéssemos 100% de apoio. É matemática e estatisticamente impossível. Mas, se a maioria for a favor - e é - essa deve ser a prova de que estamos fazendo um bom trabalho.

Rejeitar o euro foi uma decisão acertada?

A história não pode ser lida antes que de finalizada. Será que fizemos bem? Será que não fizemos? Não podemos dizer. Há pontos positivos de uma moeda comum, especialmente para economias pequenas. Mas quando o mundo entra em crise...

Considera as relações entre Brasil e Dinamarca satisfatórias?

O atual situação é muito encorajadora. Hoje, o Brasil é o 12º ou 13º no ranking de parceiros comerciais da Dinamarca. Acho que há uma boa troca de know-how, de tecnologia, como nos mercados de combustíveis, biotecnologia, produtos farmacêuticos. E a estabilidade que o Brasil vem apresentando ao longo dos últimos dez anos vem beneficiando esses negócios. Ainda há muitas trocas a serem feitas.

Qual é a imagem do presidente Lula na Dinamarca?

Os dinamarqueses são bem informados sobre os líderes políticos do mundo. Honestamente, ao longo da história, o Brasil foi país instável por alguns períodos e se estabilizou durante os mandatos de Lula. Isso atraiu muita atenção. Além disso, o fato de o Brasil ser peça chave nos Brics também credencia o presidente. Por fim, vocês atraíram a Copa do Mundo e Olimpíadas. As pessoas reconhecem isso.

Estamos em campanha presidencial. Conhece algum candidato?

Fui brevemente informado pelo embaixador sobre qual é o candidato do presidente, sobre as tendências, mas não vim aqui falar sobre política.

Ouviu falar que temos uma candidata "verde" concorrendo?

Não me surpreende. Porque os brasileiros estão conscientes sobre a necessidade de pensar verde. O Brasil e o mundo dependem disso.

Como vê as relações do presidente Lula com Irã e Venezuela?

Esta é mais uma questão política. Eu realmente não quero discutir sobre isso.

Quando se divorciou e se casou pela segunda vez, sendo ela francesa, muita gente considerou um rompante de romantismo.

Acho que fiquei romântico subitamente (risos). O casamento foi mesmo bastante romântico e acho que ainda continua sendo.

Seu divórcio representa um distanciamento das tradições e a adoção de um estilo mais moderno da monarquia hoje?

Sabe... acredito que se as coisas não estão dando certo, temos que fazê-las funcionar. Eu sei que a grande maioria dos brasileiros é católica e... Bem, é natural para mim dizer que a família real não se divorciou ultimamente e eu sim porque acho que temos que viver e procurar ser feliz. Você tem que fazer o seu melhor porque há coisas com valores imensuráveis. Felizmente, tive a sorte de redescobrir o amor e encontrar uma mulher maravilhosa.

E como é ter o sol praticamente à meia-noite?

(Risos) Bem, para vê-lo (à meia-noite) temos de ir para Groenlândia. Mas na Dinamarca, durante o alto verão, o sol chega a se por às 22h30 e o sol nasce às 3h. A noite não chega a ficar escura. Apenas um azul escuro toma conta do céu. É divertido. Mas no inverno o sol se põe às 16h e nasce às 9h da manhã. Não é fácil sair de casa quando ainda é noite e, ao voltar do trabalho, ser noite novamente. Nos poucos momentos de sol, você acaba nem olhando pela janela por estar tão preso ao computador.

A Dinamarca não passa por dificuldades financeiras, nem sérias crises políticas. A que atribuiu os altos índices de suicídio?

Estou certo de que quando um país se promove e prospera, ele atrai a atenção e percebemos as coisas do jeito que queremos perceber. Muitos dinamarqueses sabem que existe pobreza no Brasil mas, no geral, pensam ser um paraíso para se viver. Nosso índice não é o pior índice do mundo mas é alto sim.

E por que é alto?

Por quê? Bem... acho que é a mesma pergunta que se fazem todos os que conheceram alguém que se suicidou: "O que fizemos de errado para que essa pessoa sentisse que não haveria mais uma saída?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.