Jake Michaels/The New York Times
Em uma pausa das fotos estilizadas ou dos vídeos divertidos consumidos como colírio para os olhos no TikTok, Instagram e outras mídias sociais, o Clubhouse reavivou o apetite pelas conversas. Jake Michaels/The New York Times

Em uma pausa das fotos estilizadas ou dos vídeos divertidos consumidos como colírio para os olhos no TikTok, Instagram e outras mídias sociais, o Clubhouse reavivou o apetite pelas conversas. Jake Michaels/The New York Times

Redes sociais buscam sintonia com tendência do áudio

As principais redes sociais estão lutando para evitar que os usuários sejam seduzidos por concorrentes apenas de áudio, especialmente porque as pessoas estão cansadas de olhar telas

Agências , AFP

Atualizado

Em uma pausa das fotos estilizadas ou dos vídeos divertidos consumidos como colírio para os olhos no TikTok, Instagram e outras mídias sociais, o Clubhouse reavivou o apetite pelas conversas. Jake Michaels/The New York Times

SÃO FRANCISCO, EUA - Em uma pausa das fotos estilizadas ou dos vídeos divertidos consumidos como colírio para os olhos no TikTok, Instagram e outras mídias sociais, o Clubhouse reavivou o apetite pelas conversas. 

Desde o seu lançamento, há quase um ano, o Clubhouse permite que os usuários hospedem chats sobre os mais variados temas em "salas" virtuais em que outros membros da plataforma podem entrar livremente.

As principais redes sociais estão lutando para evitar que os usuários sejam seduzidos por concorrentes apenas de áudio, especialmente porque as pessoas estão cansadas de olhar telas em uma época em que trabalhar, ensinar e brincar remotamente vêm em primeiro lugar por causa da pandemia.



O Twitter tem testado desde dezembro o Spaces na tentativa de adicionar o recurso de discussão de voz em grupo o mais rápido possível. A rede social começou no ano passado a permitir aos usuários enviar tuítes falados de até 140 segundos. 

O Instagram, de propriedade do Facebook, expandiu recentemente suas Live Rooms para permitir que até quatro pessoas por sala transmitam vídeos de reuniões virtuais para os seguidores. Uma funcionalidade apenas de áudio está a caminho, de acordo com o Instagram.

O Facebook está supostamente trabalhando em uma oferta no estilo Clubhouse, provisoriamente apelidada de Fireside, em sua principal rede social.

Uma startup já está testando um aplicativo também chamado Fireside, anunciado como um lugar onde os podcasters podem integrar os ouvintes, ganhando dinheiro no processo, de acordo com o site de notícias de tecnologia The Verge. 

A plataforma em desenvolvimento Capiche FM estabelece o objetivo de fornecer a qualquer pessoa as ferramentas para lançar um programa de rádio online, permitindo que os ouvintes participem do chat ao vivo e até mesmo solicitem a participação na conversa ao vivo.

O Discord, lançado há cerca de seis anos como uma plataforma para os fãs de jogos eletrônicos se comunicarem enquanto jogam, tornou-se um lugar onde amigos também se encontram para conversar virtualmente, assistir filmes ou até mesmo trabalhar.

No final do ano passado, a empresa sediada em São Francisco anunciou que levantou mais 100 milhões de dólares em fundos para crescer e foi avaliada em 7 bilhões de dólares.

 Discord foi uma das plataformas online que acabou banindo extremistas simpáticos ao ex-presidente Donald Trump após o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos em janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Clubhouse: como ter uma conversa íntima com mil pessoas

Lançado em março passado, o aplicativo permite ouvir discussões ao vivo e às vezes participar delas, sobre assuntos tão variados quanto 'como aprender a codificar', meditação ou até mesmo jogos de cultura geral

Julie Jammot, AFP

20 de março de 2021 | 10h00

SÃO FRANCISCO, EUA - Clubhouse, a plataforma de salas de conversas somente com áudio, serve de 'playground' para toda uma comunidade de influenciadores digitais em busca de intimidade em grande escala enquanto se ganha dinheiro suficiente.

 

 

"No outro dia, estive em uma sala com 3LAU, meu DJ favorito, em um momento histórico, para um leilão [de objetos digitais]. Estava sua família e todos nós no Clubhouse. Éramos cerca de mil. Acho que foi um momento muito íntimo", diz Taz Zammit, uma criadora de conteúdo australiana, ainda emocionada por ter participado do evento. 

Lançado em março passado, o aplicativo permite ouvir discussões ao vivo e às vezes participar delas, sobre assuntos tão variados quanto "como aprender a codificar", meditação ou até mesmo jogos de cultura geral. 

A nova rede social em ascensão, que já está avaliada em 1 bilhão de dólares, é acessível apenas em iOS (Apple) e por convite. Mas graças aos confinamentos impostos pela pandemia e às aparições de celebridades como o empresário Elon Musk, atualmente cresce no ritmo de 10 milhões de usuários por semana. 

"Não é só uma moda passageira. O Clubhouse chegou para ficar", comenta Judyth Jernudd, ex-apresentadora de televisão. "Você tem acesso a todos esses pontos de vista diferentes e faz parte da conversa. Muitos de nós estamos usando-o para testar ideias para programas". 

 

 

Clubhouse: íntimo e autêntico 

O Clubhouse responde às necessidades não atendidas pelas plataformas dominantes: reservar um tempo, interagir com profissionais, descansar os olhos, se divertir enquanto realiza tarefas repetitivas e também criar "intimidade" e "vínculos autênticos", dois conceitos onipresentes. 

A rede social já tem muitos seguidores. Há boatos de que o Facebook está trabalhando em um conceito semelhante, chamado provisoriamente de Fireside.

O Twitter já está testando o Spaces desde dezembro. "É um grande produto para as pessoas que tinham dificuldade de se envolver em conversas mais moderadas e empáticas", disse Nikkia Reveillac, diretora de pesquisa do grupo da Califórnia. 

"Também é excelente para os usuários que estão preocupados com a permanência dos tuítes", acrescenta. 

Esses novos formatos pressagiam um mundo onde talvez olharemos menos para as telas e nos comunicaremos mais oralmente, tanto com humanos quanto com as máquinas. 

Enquanto isso, os entusiastas do Clubhouse estão experimentando outras formas de ouvir e conversar, mas também de gerar dinheiro. 

O Clubhouse em breve testará métodos de compensação, como gorjetas, ingressos para certos lugares ou assinaturas. Outras redes já estão usando esse método para depender menos da publicidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Áudio vive era de ouro com podcasts

Os confinamentos aceleraram o processo de escuta e a descoberta, mas o podcast é um 'fenômeno de massa que acelera independentemente do que aconteça'

Carole Guirado e Eric Randolph, AFP

20 de março de 2021 | 10h00

PARIS, FRANÇA - O áudio vive um momento revolucionário graças ao formato digital, um fenômeno liderado pelos podcasts, com a vantagem de ser acessível a qualquer momento.

"É a idade de ouro do áudio", afirmou à AFP Steve Ackerman, diretor de conteúdo da Somethin' Else, a maior produtora de podcasts do Reino Unido.

"A mudança que observamos com o podcast é surpreendente, com uma explosão das audiências", completa Ackerman, para quem o período pode ser comparado ao início da televisão sob demanda, com o surgimento da Netflix.

O trunfo do podcast é que "há algo para todos os gostos: independentemente de ser seguido por milhões de pessoas, ou por apenas 20", acrescenta.

 

 

Os números são impressionantes, em particular em alguns países. Na liderança estão os sul-coreanos, com 58% de ouvintes de podcasts no mês passado, seguidos por espanhóis (40%) e suecos (38%), de acordo com a empresa Statista.

Nos Estados Unidos, quase 80 milhões de pessoas consomem o formato semanalmente, revelou o último relatório da Edison Research.

Na França, 14% dos cidadãos escutam a cada semana podcasts originais, ou seja, que não são retransmissões de rádio, de acordo com um estudo da Havas Paris/Institut CSA.

Os confinamentos aceleraram o processo de escuta e a descoberta, mas o podcast é um "fenômeno de massa que acelera independentemente do que aconteça", afirmou em outubro o diretor do Instituto CSA, Yves del Frate, durante o Paris Podcast Festival.

O fenômeno encontra seu lugar inclusive "onde não é possível ter uma tela, como quando você está trabalhando (em alguns empregos), dirigindo, ou correndo", observa Ackerman, para quem é um "novo hábito".

 

 

Ver ou ouvir 'Game of Thrones'

O mesmo acontece com o audiolivro, concebido em um primeiro momento para as pessoas com deficiência visual. Como prova, a plataforma de música por streaming Spotify lançou em janeiro audiolivros próprios narrados por famosos, como por exemplo a atriz Hilary Swank e o ator Forest Whitaker.

As histórias que são apenas ouvidas "podem ser mais palpitantes e cativantes", explica à AFP a especialista em fala Elizabeth Fresnel, fundadora do Laboratório da Voz na França.

Isto é confirmado por um estudo coordenado pelo psicólogo experimental Daniel Richardson da University College de Londres, que comparou os impactos do áudio e do vídeo no cérebro.

Para a pesquisa, estudantes assistiram e depois ouviram a versão em áudio das principais cenas do filme O Silêncio dos Inocentes e da série Game of Thrones.

Richardson constatou uma contradição: os estudantes afirmaram que tiveram uma reação emocional mais intensa com os vídeos, mas seus corpos mostraram o contrário.

"Com a versão em áudio, a temperatura corporal foi mais elevada, o ritmo cardíaco aumentou e diminuiu mais e a atividade eletrodérmica, que mostra a excitação corporal, foi mais perceptível. Seu cérebro foi mais solicitado, e isto se refletiu em sua psicologia", descreveu o especialista.

 

 

Uma voz vale mais que mil imagens?

"A voz é portadora de muitas emoções", afirma a jornalista Charlotte Pudlowski, que em 2018 foi uma das fundadoras do Louie Media, um dos primeiros estúdios de gravação de podcasts na França.

Em sua produção mais recente, Ou peut-être une nuit, a jornalista examina os mecanismos de silêncio na violência sexual com vários depoimentos.

As vozes destas mulheres "denotam esta violência", relata Pudlowski, que cita como exemplo uma voz que hesita subitamente, ou outra que titubeia com a palavra estupro.

"Quando estas histórias são contadas é fácil cair no sórdido: (o áudio) permite evitar o espetacular, o vulgar e encontrar um equilíbrio entre a emoção e a necessidade ver as coisas de fora", afirma.

Com o corpo, seja com a postura, seja com as expressões, "é possível eventualmente falsificar as emoções, mas a voz falará muito mais sobre o que alguém é e o que alguém sente", destaca Fresnel. 

Tudo o que sabemos sobre:
Spotifypodcastaudiobook

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.