Rede Globo deve sediar Museu da Televisão

No ano em que a televisão completa 50 anos de Brasil, a atriz Vida Alves se prepara para concretizar um antigo sonho: a criação do Museu da Televisão. Depois de esperar durante muitos anos pela doação de um terreno prometido pela Prefeitura de São Paulo (ainda na gestão de Paulo Maluf), Vida comemora a parceria com a Rede Globo, que deve resultar na construção do museu dentro da sede paulista da emissora, próximo à Avenida Berrine."O lançamento da pedra fundamental deve ser no dia do aniversário da televisão, 18 de setembro", prevê a atriz, que preside a Appite (Associação dos Pioneiros Profissionais e Incentivadores da Televisão Brasileira).Segundo Vida, o acerto foi feito há cerca de seis meses, diretamente com a diretora-geral da emissora, Marluce Dias da Silva. "Por enquanto, o museu ainda não existe no papel, mas devemos estar regularizando isso em breve", adiantou a atriz, de 72 anos.Vida prevê que, após o anúncio oficial da criação do museu, o acervo existente de fotos e imagens seja ampliado. "Hoje contamos com uma coleção muito boa de fotos dos primeiros anos da televisão e muitas imagens antigas, reunidas principalmente entre os sócios da Appite, que possui apenas 300 sócios", explica a presidente.Além de um site, que temporariamente está sem patrocínio, a Appite ainda mantém um programa no Canal Comunitário da Net (exibido aos domingos, às 20 horas, em São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro), apresentado pela filha de Vida, Thaís Alves. "Chama-se Encontro com os Artistas e mostra fatos históricos da vida de muita gente que já está esquecida da mídia, além do trabalho dos profissionais ainda atuantes", ressalta.Quando acreditava que o museu seria construído num espaço público, Vida providenciou através do cenógrafo Cyro Del Nero um projeto para a instituição. "O primeiro projeto incluía um anfiteatro de espetáculos, o acervo de fotos e imagens, e uma área que seria atualizada sempre, contando o passado, presente e futuro da televisão. Como isso foi em 96, muitas coisas que eram apresentadas como futuro já fazem parte do presente e até do passado", brinca.Outro material importante reunido pela atriz são os 130 depoimentos (com uma hora de duração) de atores, cantores e demais profissionais que participaram da implantação da televisão no País. "Já estamos colhendo outros 100 depoimentos", acrescenta.Cursos de comunicação - Lembrada até hoje como a protagonista do primeiro beijo transmitido ao vivo pela televisão (ela fazia par romântico com o falecido ator Walther Forster, na novela Sua Vida me Pertence, pela extinta TV Tupi, em 1951), Vida se dedica atualmente a ministrar cursos de comunicação para executivos em suacasa, no bairro paulistano de Perdizes."Muitos atores como eu foram obrigados a seguir uma profissão paralela", diz, lembrando que muitos dos pioneiros são aposentados que vivem de dois ou três salários mínimos por mês. "A nossa categoria sofre de um desnível muito grande; existem estrelas de primeira linha que ganham fábulas, como existem artistas antigos quenão são mais chamados para trabalhos e vivem de salário mínimo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.