Rede Globo abre os portões de Bambuluá

A Princesa de Bambuluá, um conto de Câmara Cascudo - um dos grandes estudiosos do folclore brasileiro - serviu de inspiração para a criação de Bambuluá, a Cidade dos Sonhos. O local nada mais é do que uma cidade cenográfica, com 3 mil m2, construída pela Rede Globo para ambientar a nova programação infantil que estréia na próxima segunda-feira, dia 9, às 8h05. Segundo a história popular, Bambuluá significa "uma terra que olhos que são maus não podem ver". Para Roberto Talma, diretor do núcleo de criação, a cidade é exatamente assim: "um lugar onde todas as crianças gostariam de morar", explica ele. "O projeto ficou do jeito que a gente queria."Adiada por várias vezes, a estréia da nova programação trará de volta a apresentadora Angélica, que por dois meses esteve afastada dos infantis da casa. "Angélica não está no almoxarifado da Globo, como muitos já disseram. Ela sempre fez parte do nosso projeto e em todo momento se pensou nela para estar em Bambuluá", atesta o diretor de núcleo.Angélica chegará na cidade para fazer o show de inauguração da Lona Musical Passarim e acabará ficando definitivamente por lá. Na verdade, ela foi escolhida pelo Mago Tchilim para ajudar na destruição de Magush, a Cidade das Sombras. Aliada a sete crianças aventureiras -que graças à energia de um cristal se transformam nos Cavaleiros do Futuro - Angélica comandará a eterna luta do bem contra o mal. Bonecos e crianças - Além de Digimon e outros desenhos, o projeto de Roberto Talma inclui mais quatro séries, estreladas por bonecos e crianças. São elas: Neném e Mascote, Irmãos em Ação, Iscavoka Iscavoka e Garrafinha e Sua Turma. Todas as manhãs também serão exibidas matérias especiais para a criançada na TV Globinho, que funciona em Bambuluá e é comandada pelos repórteres mirins Jujuba, Prego, Matraca, Xereta, Pipoca, Minhoca, Escova e Careca. "Se a gente fosse pensar nos concorrentes, teríamos colocado só desenhos animados. E se realmente estivéssemos preocupados com eles, já teríamos estreado em abril ou em junho. Mas resolvemos deixar para outubro para termos mais tempo e fazer um grande projeto infantil, visando ficar três ou quatro anos no ar", analisa Talma.A intenção do diretor também é estrear uma nova atração a cada dois meses. "O Sítio do Picapau Amarelo, Capitão Sardinha e Pequeno Alquimista já estão sendo preparados para estrear no próximo ano, assim como Blur, um longa metragem de animação por computador que se passa no futuro", explica ele.Sobre o novo adiamento da estréia da Turma da Mônica, antes previsto para entrar junto com a nova programação, Talma diz que está tudo certo com Maurício de Sousa. "Esse é um projeto vitorioso do Maurício e por isso precisamos tomar muito cuidado. Na verdade, só falta ajeitar algumas miligramas de frescuras minhas e dele para que tudo saia do melhor jeito possível", conta ele. "Já sobre o Capitão Sardinha, analisamos o piloto e achamos que não repercutiria junto ao nosso público alvo. Vamos repensá-lo."Visitação infantil - Também há planos de abrir a cidade cenográfica de Bambuluá para visitação ao público infantil. "Só vou fazer isso na hora certa. Queremos fazer algo ligado às escolas, por exemplo com o projeto Amigos da Escola, através de concursos de redação, matemática, etc. Os melhores alunos, do Brasil inteiro, viriam visitar Bambuluá", planeja. Angélica se diz encantada com o novo projeto e elogia a iniciativa de incluir um grande elenco infantil. "Criança falando para criança é muito legal. Tenho certeza de que o programa vai mexer bastante com a fantasia de todo mundo. Estou bem à vontade e feliz, ansiosa em ver o programa no ar para conhecer a opinião do público", diz a apresentadora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.