Record quer jornalismo sem apelação

Até mesmo a sonoplastia apelativa do programa Cidade Alerta está com seus dias contados. Em 2001, a Rede Record quer menos sensacionalismo e mais informação em seus telejornais. No noticiário da rebelião dos presídios paulistas, por exemplo, ocorrida no dia 18 de fevereiro, a emissora optou por não dar voz aos detentos que ofereciam entrevistas à imprensa por meio de telefones celulares. "Os presos monopolizaram a cobertura em vários canais, prejudicando a isenção da informação. Não concordamos com isso", critica o diretor de Jornalismo da Record, Luiz Gonzaga Mineiro. Em sua busca pela imparcialidade jornalística, o canal estréia na segunda-feira uma nova fase do programa Fala Brasil, agora sob o comando de uma das jornalistas de tevê de maior credibilidade junto ao público: Mônica Waldvogel. A ex-âncora dos telejornais Bom Dia São Paulo e Bom Dia Brasil, da Globo, vai dividir com Rodolfo Gamberini a apresentação da atração, exibida de segunda à sexta, das 7h45 às 9 h.Nem mesmo a Igreja Universal do bispo Edir Macedo, proprietário da Record, vai ser empecilho para a isenção jornalística dos programas da casa. Pelo menos é o que garante o diretor Luiz Gonzaga Mineiro: "Temos total liberdade para trabalhar. A Record quer se tornar referência no jornalismo, assim como é a Globo quando se fala de novela." Mineiro anuncia a volta ainda este mês do jornal local São Paulo Notícias, sob o comando de Miguel Dias (que antes apresentava o Fala Brasil). Reformulado, o programa diário terá 20 minutos de duração, ainda sem horário de exibição definido.A equipe de jornalistas da Record vai realizar também documentários sobre assuntos de grande impacto, que deverão ser inseridos aleatoriamente na grade de programação. "Queremos incrementar a produção", diz Mineiro. "Num futuro não muito distante, a Record deverá ter três equipes jornalísticas, com turno de sete horas de trabalho, apurando informações e gravando reportagens para todos os programas", finaliza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.