Record ganha novos rumos em 2003

Transmissão do Campeonato Brasileiro, produção de novelas e a vontade de acabar com a fama de "emissora da Igreja Universal". Esses são os principais projetos da Record para este ano, que serão tocados pelonovo presidente da emissora, o jurista Denis Munhoz. Munhoz, que já era vice-presidente da rede, assumiu o novo cargo na terça, no lugar dos bispos Honorilton Gonçalves, que agora é diretor do canal, e Clodomir Santos, que se afastou da rede.Apesar de ser evangélico, Munhoz não é bispo, como osex-presidentes da rede, o que, segundo ele, pode diminuir oestigma que rotula a emissora há muitos anos. Nos últimos meses,a emissora foi acusada de censurar alguns programas e artistaspor causa da ala radical da Igreja Universal, comandada porClodomir Santos, agora afastado. "Essa mudança de cargos nãotem a ver com a necessidade da "Record" de colocar alguém quenão seja bispo na presidência, mas ajudará, sim, a acabar com oresto do preconceito que o canal sofre", diz Munhoz.Futebol - O novo presidente quer direcionar forças paraa compra o Campeonato Brasileiro, negociação que anda enroladacom a Globo. "Eles (Globo) já tinham praticamenteacertado conosco o Brasileirão, mas agora querem alterar onegócio", fala Munhoz. "Soube que nem a Globo fechou aindacom o Clube dos 13 a compra do Brasileirão, portanto, não seiquando vamos resolver isso", continua."Dependemos dessanegociação para acertar toda a nova grade em março."Game shows como Roleta Russa, de Milton Neves, têmespaço garantido na Record em 2003, assim como a produção denovelas, que deve ter início este ano.Munhoz também apóia a criação de um novo medidor deaudiência, idéia que já levou ao conhecimento da direção doSBT, que está criando um instrumento de aferição, que seráconcorrente do Ibope. "Queremos apoiar e participar de qualquerprojeto desse tipo", diz ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.