Rebeca Horn cultiva paradoxos em sua arte, no CCBB

Exposição 'Rebelião em Silêncio', no Rio, perpassa 35 anos do trabalho da artista alemã

18 de maio de 2010 | 05h00

A artista Rebecca Horn, que une em suas criações contundência e sutileza. Fábio Motta/AE

 

Camila Molina - O Estado de S. Paulo

RIO - Os paradoxos têm violência delicada no universo de Rebecca Horn: a artista alemã, um dos nomes consagrados da arte contemporânea, consegue unir em suas criações contundência e sutileza, realismo e certa magia surrealista, utopia e erotismo, política e lirismo, o alargamento e diminuição da escala. Rebecca, que apareceu no sábado no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro para falar com a reportagem do Estado, estava com seus característicos cabelos longos vermelhos amarelados, se mostrando objetiva em seus pensamentos e compromissos, mas seus olhos azuis e sua fala expressavam simpatia e simplicidade. Até mesmo o título da exposição que ela inaugura na quinta-feira no CCBB do Rio, Rebelião em Silêncio, carrega em si a raiz da velada e leve contradição da poética da artista.

 

mais imagens Galeria de fotos

 

Uma das pioneiras do uso da tecnologia já nos anos 1970, Rebecca Horn, nascida em 1944, já criou uma máquina que dá a possibilidade de uma pessoa ganhar asas com penas de pavão, mas também o Concerto dos Suspiros, instalação com restos de escombros, funis de ouro e música. Ergueu um piano de ponta-cabeça de onde saem o que seriam as entranhas do instrumento em Concerto para Anarquia e aprisionou simplesmente uma borboleta azul-turquesa em uma redoma de vidro. Só agora o público brasileiro tem a oportunidade de se confrontar com os "paraísos artificiais" de Rebecca Horn e sua linguagem em que os elementos estão sempre indo e vindo pelas mais diferentes criações, nesta que é sua primeira exposição no Brasil.

 

Rebelião em Silêncio é uma retrospectiva da tão variada produção da artista (há pouco, por exemplo, ela acabou de dirigir a ópera Elektra, de Strauss, apresentada em Wiesbaden, na Alemanha), perpassando 35 anos de trajetória. Por 13 salas expositivas do CCBB carioca estão seus filmes, instalações e objetos, apresentando suas passagens pela performance, o cinema, a escultura, a escrita, a música. A mostra é uma versão da exposição que Rebecca exibiu no ano passado no Museu de Arte Contemporânea de Tóquio, trazida pelo curador, produtor e diretor de documentários Marcello Dantas. Desde 1998 ele tinha o projeto de fazer no País uma exposição da artista que, apesar de seu porte, nunca esteve numa Bienal de São Paulo, museu ou galeria brasileira. Por enquanto, segundo o curador, que já realizou exposições de outros ‘medalhões’ como Anish Kapoor e Gary Hill, a mostra de Rebecca Horn só será apresentada no Rio. Para a abertura, a artista vai realizar na quinta-feira, às 18h30, uma espécie de palestra-performance sobre sua obra e poética, acompanhada pelo músico inglês Hayden Chisholm.

 

Conexão. O primeiro impacto com a mostra já se dá no hall central do edifício do CCBB, com a obra O Universo em Uma Pérola. O visitante vai olhar para o alto e se deparar com um monstro delicado, um grande escultura dependurada formada por espelhos, funis agigantados de ouro e projetores, que fazem expandir a cor azul no topo da obra, uma esfera, que seria a pérola. Suspensa, a instalação pode ter um leve movimento e ainda promover a reflexão e o afunilamento da imagem do espaço e do espectador que, dependendo do ângulo, pode até mesmo ficar zonzo.

 

"Algo muito pequeno (a imagem simbólica de uma pérola) se transforma em um universo. Essa obra é sobre energia, a maneira como você se conecta com a escultura. Isso sempre acontece nas minhas instalações, essa relação do corpo com o corpo da obra", diz Rebecca. Mas, ao mesmo tempo, uma conexão com a obra dela pode até despertar o medo, como em Sala da Destruição Mútua, trabalho sobre "o amor e o ódio" formado por dois espelhos frontais, cada um deles com uma pistola (que simulam o disparo).

 

Narrativas. A alemã iniciou sua carreira na década de 1970, realizando performances. "Eram uma espécie de ritual, com poucas pessoas. Eu construía esculturas de corpo e chamava meus amigos a participar", conta Rebecca. Mas em 1972, quando convidada a participar da 5.ª Documenta de Kassel (e ela era a artista mais jovem da mostra), o curador Harald Szeemann pediu que apresentasse também documentação de suas performances. Assim ela começou a filmar as ações e fez sua passagem para o cinema, tão emblemático em sua carreira, a ponto de criar e dirigir, em 1990, o longa-metragem Buster’s Bedroom, estrelado por Donald Sutherland e Geraldine Chaplin.

 

As obras cinematográficas de Rebecca serão exibidas em três espaços, todos eles remetendo a salas de cinema, mas sempre dentro do próprio percurso da exposição - na linguagem da artista, os elementos e temas estão sempre conectados. Completa ainda sua relação com a sétima arte a instalação Times Goes By, paisagem surrealista feita com 40 mil metros de filmes hollywoodianos e binóculos.

 

A repórter viajou a convite da produção da mostra

Rebecca Horn - CCBB-Rio. R. Primeiro de Março, 66, (21) 3808-2020. 10h/ 21h (fecha 2ª). Grátis. Até 18/7. Abertura quinta

Tudo o que sabemos sobre:
Rebecca Horn

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.