Raridades e uma sala de autorretratos

Sonho Místico, reproduzida acima, à direita, volta ao Brasil depois de 100 anos. Pintada em 1897, a obra foi participar, em 1910, de mostra no Museu Nacional de Belas Artes de Santiago e naquele ano foi adquirida pela instituição chilena. Desde então, é a primeira vez que ela é exibida no Brasil, conta Mirian Seraphim. Também a pintura A Convalescente (sem data) é uma raridade encontrada pela curadoria numa coleção privada. Vale destacar também, na mostra, o diálogo da famosa tela A Maternidade (1906), que representa uma cena no Jardim de Luxemburgo, com seus estudos pictóricos. A retrospectiva tem, ainda, outra particularidade, a de apresentar no 2º piso da Pinacoteca, onde está a mostra do acervo do museu, sala especial com 25 autorretratos que o artista criou em seus mais de 60 anos de produção. / C.M.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.