Rangetsu of Tokyo, o Japão de todo mundo

O Rangetsu of Tokyo foge dos padrões dos restaurantes japoneses de são Paulo. Ele é claro, confortável, apenas com mesas ocidentais, faz algumas receitas tradicionais, mas brilha mesmo nos pratos modernizados, que se aproximam mais da chamada cozinha internacional feitos com grande classe pelo chef japonês Imoue. Um restaurante controlado por um grupo internacional, que também produz incenso e tem outros restaurantes em Tóquio e em Orlando e que ocupa uma antiga residência na mais do que movimentada Avenida Rebouças (um ponto nada convencional). Por fora, apenas um grande letreiro e muros altos. Para quem entra, a sensação é de que a grande e movimentada avenida ficou longe. Um salão claro, com o tradicional sushi bar num dos cantos e grandes vidraças dando para um bonito e gostoso jardim japonês. A propósito, Rangetsu quer dizer ?orquídea ao luar? em japonês. O serviço costuma ser correto, cordial e o cardápio extenso, dividido entre as especialidades tradicionais e as modernas. Compensa telefonar para reservar e conhecer a versão nacional do wagyu, uma carne especial, mais do que gorda, usada no caso para fazer o sukiaki (R$ 30, o prato versão normal e R$ 40, com a carne especial). Em seu livro O Homem Que Comeu de Tudo, o crítico gastronômico da revista Vogue norte-americana, Jeffrey Steingarten, dedica um capítulo a esse caríssimo (perto de US$ 300 um bife) wagyu. Uma carne produzida na cidade japonesa de Kobe, cortada de bois de uma raça de gado negro japonês alimentados com cerveja, grãos empapados de saquê, massageados e tratados com acupuntura. No restaurante, o muito prestativo Uchoa informa que é preciso fazer a reserva para que a carne seja descongelada e preparada com todo o cuidado que merece. Segundo ele, o wagyu que serve é produzido por uma firma japonesa em Mato Grosso do Sul. Mesmo para os imprevidentes, sem o wagyu, o jantar pode ser mesmo ótimo, principalmente pelos peixes grelhados no ponto, suculentos, pelo chefe Inoue, que veio de Orlando, na Flórida. Os peixes são deliciosos, mas as opções restritas. No dia da visita, apenas salmão e robalo. Um combinado de sushi-sashimi pode abrir com classe o jantar (R$ 56 para duas pessoas e R$ 130 para quatro pessoas). Ingredientes ótimos, frescos, firmes e convenientemente cortados. Muito bons os sushis e sashimis de robalo, atum, salmão e tainha, um peixe de gosto forte, que sempre divide opiniões, pois há quem goste muito e também os que preferem deixá-la de lado. O grande final ficou com os peixes mais modernizados, começando por um robalo magnífico, grelhado com exatidão, no ponto certo, ainda úmido, com um molho de maracujá sem exageros, ótimos legumes e risoto de shimeji (R$ 32). Excelente ainda o robalo com um molho picante e moyashi, broto de feijão (R$ 28). A enguia com molho teiyake é também especial. Dois filés de enguia com muito sabor no molho teriyaki (meio adocicado, mas não enjoativo), dispostos sobre um berço de arroz (R$ 36). O arroz fica ótimo com o molho teriyaki. Saboroso, crocante, muito acima da média os champignons do tipo shitake grelhados. Sequinhos, sem excessos de gordura. Rangetsu of Tokyo - Avenida Rebouças, 1.394, Jardim América, (também entrada pela Rua Cristiano Viana, 56). Tel.: 3085-7946.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.