Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Rambos

Tudo pode ser comprado em qualquer loja de armas dos Estados Unidos, onde o único limite é o da validade dos cartões de crédito

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2020 | 03h00

A pose é conhecida. Modelo “Rambo”, anos 80. Pernas abertas, para que não se duvide que são machos. O rifle automático em evidência, atravessado na frente do corpo. Há outras armas, semiescondidas, pistola, punhal, granadas - e tudo dentro da lei. Eles podem se deixar fotografar prontos para serem o Sylvester Stallone dos seus sonhos porque nada do que carregam, inclusive lança-foguetes, é proibido. Tudo pode ser comprado em qualquer loja de armas dos Estados Unidos, onde o único limite é o da validade dos cartões de crédito. 

Grupos de extrema direita estão se preparando para o confronto, que dizem inevitável, com seus inimigos esquerdistas, judeus e negros, estes mobilizados por repetidos exemplos de violência racista da polícia sob pretexto de manter a ordem. O grupo que pretendia sequestrar uma governadora progressista e ocupar a sede do seu governo anunciou que seu objetivo era provocar uma guerra civil. Não ajudou o presidente Trump pedir, paternalmente, paciência para os extremistas da direita, deixando claro com que lado simpatiza. O que torna a atual situação nos Estados Unidos mais grave do que jamais foi são estas duas novidades: pela primeira vez, a ameaça de uma guerra civil moderna sai da retórica para a ação - mesmo que anunciada e iniciada por Rambos de fantasia - e um presidente americano moderno não disfarçar por quem torceria na nova guerra.

Enquanto isso, a mosca que passeou pelo cabelo do Pence no debate dos dois candidatos a vice-presidente teve seus cinco minutos de fama e desapareceu sem deixar nome e endereço, o que permitiria que se desenvolvesse alguma tese a seu respeito, ou apenas a conhecêssemos melhor. Ela simbolizaria a pretensão humana reduzida ao absurdo de um ínfimo detalhe - o binômio mosca preta/cabelo branco - atrair mais atenção do que o próprio debate ou apenas uma falha na dedetização do local? A mosca acabou sendo a estrela do evento. Voltou para o seu anonimato. Mas, pelo menos, voltou com uma aventura para contar.

É ESCRITOR, CRONISTA, TRADUTOR, AUTOR DE TEATRO E ROTEIRISTA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.