Ralph Lauren apresenta coleção leve, florida e cheia de jeans

Estilista surpreende pela profusão de tecidos suaves e estampas em motivos florais e pelos modelos em jeans

EFE,

17 de setembro de 2009 | 20h16

Modelo desfila criação vaporosa de Ralph Lauren para a moda de primavera-verão. Foto: EFE

 

 

NOVA YORK -  As dificuldades dos tempos atuais, similares às da Grande Depressão dos anos 1930, foram a grande inspiração do desfile para a temporada Primavera-Verão que o americano Ralph Lauren apresentou nesta sexta, na semana de moda de Nova York.

 

Repleta de jeans e denim, a coleção da grife também surpreendeu pela profusão de tecidos suaves e estampas em motivos florais.

 

"Acredito no forte espírito dos Estados Unidos. Os tempos difíceis aguçam nossa capacidade para o idealismo e nosso otimismo para que o amanhã seja melhor", disse o estilista sobre as roupas mostradas no último dia de desfiles em Nova York.

 

Ralph Lauren abriu a apresentação exibindo jeans gastos, lavados e largos, camisas de algodão leves, macacões e vestidos floridos com uma leve perfume da América rural da década de 1930.

 

Depois, a cartela de cores ganhou variações com os looks desbotados, acinzentados, prateados, em azul marinho e em índigo, confeccionados em organza, seda, musseline e lamê.

Segundo Ralph Lauren, a coleção para o verão 2010 foi inspirada na "mulher trabalhadora, rural, pioneira".

 

"Também admiro a honestidade das roupas de trabalho delas, dos jeans gastos, dos macacões resistentes, das desgastadas blusas azuis, e a simplicidade dos vestidos floridos de algodão", acrescentou.

 

O último dia da semana de moda de Nova York terá ainda o desfile do mineiro Francisco Costa, diretor de criação da linha feminina da Calvin Klein desde 2003.

 

O veterano Tommy Hilfiger, que inaugura uma nova loja na 5ª Avenida, também se apresenta hoje, assim como os argentinos Benito Fernández, Fabián Zitta, Min Agostini, que desfilarão juntos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Ralph Lauren

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.