Rádio australiana vai rever políticas após trote em enfermeira de Kate

Uma estação de rádio australiana que está sendo criticada pelo trote que passou ao hospital onde a duquesa Kate, mulher do príncipe britânico William, estava internada para tratar problemas relacionados à gravidez disse neste domingo que vai rever seus procedimentos depois do aparente suicídio de uma enfermeira.

Reuters

09 de dezembro de 2012 | 18h46

A polícia de New South Wales disse que estava em contato com a polícia de Londres e que estava disposta a ajudar em qualquer investigação, já que o incidente provocou novos questionamentos sobre o comportamento da mídia.

Jacintha Saldanha, de 46 anos, foi encontrada morta no alojamento dos funcionários, perto do hospital King Edward VII, na sexta-feira, depois de passar a ligação para uma colega que inadvertidamente passou detalhes sobre os enjoos matinais de Kate para os locutores da rádio 2Day FM.

A empresa controladora da estação de rádio, a Southern Cross Austereo (SCA) declarou em uma carta ao hospital que vai cooperar totalmente com qualquer investigação.

"Posso garantir que estamos tomando medidas imediatas e revendo a transmissão e os processos envolvidos", disse o presidente da SCA, Max Moore-Wilton.

Os locutores da emissora estão sendo criticados em todo o mundo e estão "extremamente angustiados", disse um porta-voz da SCA.

(Reportagem de Morag MacKinnon e Tim Castle)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEAUSTRALIAKATE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.