Racionais MCs fazem apresentação rara na TV

O programa Ensaio, que vai aoar amanhã, às 22h30, na TV Cultura, conseguiu um feito:levar os rappers do Racionais MCs para a frente das câmeras egravar uma edição especial com eles. É notória a aversão dogrupo de rap pela exposição na mídia. Não gostam de darentrevistas, muito menos botar a cara em programas de televisão.Nas raras vezes em que aceitam falar com a imprensa, é resultadode muitas negociações.Com Fernando Faro, diretor de Ensaio, entretanto, ahistória foi diferente. Enquanto a imprensa em peso corria atrásde uma exclusiva com os "racionais" Mano Brown, Ice Blue, EdiRock e KL Jay, eles só queriam participar do programa da TVCultura. E não houve quaisquer tipos de exigência, segundoFaro. "Conheci os Racionais dois anos atrás, em um churrasco nacasa do Jair Rodrigues, de quem sou amigo há muito tempo",conta ele. Foi o primeiro contato entre Fernando Faro e osrappers.Para o diretor de Ensaio, a postura de "difíceis"sustentada por eles é uma forma de se preservarem dasdistorções. "Os Racionais MCs são importantes para o movimento,porque são a representação mais forte em matéria de rap noBrasil", elogia ele.A edição especial com os rappers, gravada no final doano passado, intercala entrevistas com Mano Brown e companhia(feitas no próprio estúdio de gravação), e interpretações demúsicas como A Vida é Desafio e Jesus Chorou, que fazemparte do mais recente - e elogiado - CD, Nada Como Um Dia Apóso Outro.Entre um depoimento e outro, eles descrevem o surgimentodo Racionais, as influências na infância do samba e da músicaamericana, dão sua opinião sobre a polícia, entre outros temas.A entrevista começa com Mano Brown, figura importante dosRacionais, lembrando que tudo começou com o samba no fundão doônibus que pegava às 6h30 da manhã, em 1986. "Eu tocava repiquede mão e, nos intervalos, improvisava rap", diz ele.Brown conta ainda a origem de seu apelido. Chamado peloscolegas de Paulinho Brown, numa referência a James Brown (um desuas influências de criança), ele resolveu tirar "Paulinho" eusar somente "Brown". Com o tempo, os amigos passaram a chamá-lode Mano Brown. Ele gostou e adotou o apelido. "Nossa geraçãopegou o início do rap no Brasil", comenta.O Racionais MCs foi formado no final dos anos 80, naperiferia de São Paulo, dando voz às dificuldades enfrentadaspela população marginalizada nas metrópoles brasileiras.Gravaram pela primeira vez, em 88, na coletânea ConsciênciaBlack. O primeiro disco-solo só foi lançado em 90, sob otítulo de Holocausto Urbano. Um ano mais tarde, abriram oshow dos americanos do Public Enemy, um dos mais importantesgrupos do cenário do hip hop mundial. Em 92, passaram adesenvolver trabalho com comunidades carentes da periferia.Depois de Holocausto Urbano, os Racionais lançaramRaio X do Brasil, Escolha Seu Caminho, Sobrevivendo noInferno e, recentemente, álbum duplo Nada Como Um Dia Após oOutro. Ficaram conhecidos com composições como Pânico naZona Sul, Mulheres Vulgares e Diário de um Detento.Além disso, criaram o próprio selo, o Cosa Nostra, com oqual produziram o CD Rap é Compromisso, o primeira dacarreira do rapper Sabotage, assassinado na sexta-feira. Emcerto momento da entrevista que será exibida no Ensaio, ManoBrown comenta que se o grupo fosse formado hoje, teria o nome deEmocionais MCs. "Porque de racionais não temos nada. Para serum racional, precisa ser mau."Ensaio, com direção de Fernando Faro, naTV Cultura. Amanhã, às 22h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.