Quino, desenhista criador de Mafalda, faz 75 anos

Artista argentino que hoje dedica-se à pintura passa aniversário em Paris

Efe,

16 de julho de 2007 | 17h36

Com seus personagens mais em evidência do que nunca, principalmente a "menina terrível" Mafalda, o desenhista argentino Joaquín Lavado, mais conhecido como Quino, vai fazer 75 anos na terça-feira, 17, e completa também meio século de carreira. Quino, nascido na cidade argentina de Mendonça, passará seu aniversário em Paris, onde seguramente fará uma festa íntima, já que a timidez é uma de suas marcas registradas. Filho de republicanos de Andaluzia, na Espanha, que se mudaram em 1919 para a Argentina, Quino se viu atraído pelo desenho desde menino e realizou estudos de Belas Artes, mas abandonou a sala de aula para se dedicar ao humor gráfico e publicou sua primeira tira em 1954. Segundo o próprio Quino, ele herdou o caráter trágico e o humor negro do povo de Andaluzia. O desenhista ficou famoso no mundo graças a sua personagem Mafalda, que nasceu em 1963 e cujas histórias em quadrinhos foram traduzidas em mais de 30 idiomas. Quino deixou de desenhar em 1973 as histórias desta menina de cabelos escuros e rosto redondo que fazia cena com grande inteligência e ironia, mas ainda hoje Mafalda continua sendo um símbolo de rebeldia e contestação onde quer que sua figura seja conhecida. "Eu me pergunto como é possível que eu tenha desenhado há tanto tempo coisas que continuam ocorrendo hoje!", disse Quino em 2004, quando inaugurou em Buenos Aires uma exposição com trabalhos, comemorando seus 50 anos de carreira como desenhista. O autor, casado há 47 anos com Alicia Colombo, dedica-se ultimamente à pintura e a questionar o sucesso de seus desenhos. Ele vive na Europa há vários anos e em 1990 adotou a nacionalidade espanhola. O criador de Mafalda, Manolito, Felipe, Libertad e outros personagens recebeu nos últimos anos uma grande quantidade de prêmios e exposições em reconhecimento a seu talento em todo o mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
QuinoMafalda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.