''Quero heróis fortes na negação da destruição''

De alguns anos para cá tenho-me voltado à pesquisa da mitologia num esforço de perceber sensivelmente como as imagens arquetípicas podem influenciar nossos valores e, através disso, moldar a sociedade em que vivemos. Num rápido exame da produção cultural contemporânea mundial fica evidente que a figura central e organizadora da cultura é o herói guerreiro e os valores disseminados são os da disputa, da acumulação de riqueza e poder, do individualismo, da opressão e da guerra. Até nos jogos, sejam eles de computador ou reais como uma partida de futebol, a metáfora predominante é a guerra, a disputa, a submissão e morte do oponente. Eventualmente essa metáfora extrapola de seus limites e torna-se guerra real entre torcidas rivais.

Luís Alberto de Abreu, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2010 | 00h00

Só tenho a dizer que cansei disso tudo! Na dramaturgia não me interessam mais mocinhos ou bandidos, o mesmo herói guerreiro dependendo do ponto de vista. Nem pretendo reforçar os valores do indivíduo em sua luta contra o mundo. Nem retratar a decadência e caos deste mundo. Na dramaturgia, mais do que o herói guerreiro, interessam-me a mulher e a criança. Os valores femininos e infantis, os valores do lúdico, da partilha, da associação, da imaginação.

Essas três histórias inspiradas em três canções sertanejas são contadas com o ponto de vista invertido. Nas canções prevalecia o ponto de vista masculino, na peça o ponto de vista é das mulheres. Não é apenas uma inversão, é uma procura. Quero descobrir a força dramática e avassaladora da resistência, da paixão, da inocência, da fragilidade. Sim, porque no mundo ainda há inocência, e muita. E a simples existência desses valores num mundo cada vez mais cínico e conflagrado é um ato heroico. Quero cria heróis e heroínas apaixonados, fortes na negação da destruição; frágeis para a guerra, mas potentes para o trabalho de construção de um mundo novo.

Mais uma outra utopia, dirão. Mais um utopia, direi! / TRECHO DE TEXTO PARA PROGRAMA DA PEÇA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.