Quem sabe faz, quem não sabe, ensina!

Dar aula é falar de como as coisas começam e para onde podem ir ou devem seguir

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

22 Março 2017 | 02h00

Para Renato - biólogo, professor, que honra a sua universidade, amado filho e amigo querido

No dia 13 de março, tive a honra de abrir o ano letivo da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) - Universidade Darcy Ribeiro, em Campos dos Goytacazes. O evento foi maquinado por Arno Vogel, colega e ex-aluno; pelo reitor Luis Passoni e pelo professor de biologia Renato Augusto DaMatta, um pioneiro da UENF que, por acaso e para orgulho de quem assina essa coluna, é meu filho e fazia 50 anos.

E assim eu falei da antropologia que tenho tentado dignificar para o público, mas também, eis a bênção recebida, para a família que constituí.

*

Na minha idade, é inevitável não pensar nos abalos das primeiras e últimas vezes. Na noite anterior, veio a mim por inteiro a minha primeira aula de antropologia social dada na então Faculdade Fluminense de Filosofia, em Niterói, nos anos 1960. Foi quando eu vi o tamanho da minha ignorância. Já na aula magna, a angústia vinha do que falar quando o Brasil é tristemente coberto pelo manto da corrupção como um valor: como uma dimensão que vergonhosamente permeia a política e o poder de nossa vida coletiva.

*

Aulas magnas ocorrem no início de anos letivos, mas nem todas acontecem em circunstâncias tão adversas, pois o projeto que eu tive o orgulho de inaugurar é parte de uma “resistência” contra a crise. Contra a possibilidade tenebrosa de fechamento da UENF. Uma possibilidade contr a qual os seus alunos, administradores e professores resolveram resistir. 

Liquidar uma universidade é um crime inominável contra a juventude, contra o Brasil e contra o que nos torna humanos: a transmissão do saber debaixo da égide da compreensão de nós mesmos como sujeitos da nossa própria salvação nesse mar ondulado pelas maravilhas e sofrimentos chamado de “vida”.

*

Abri minha aula - intitulada Toda Vida Dando Aula - dizendo o seguinte: “A falta de recursos para as universidades é um sinal de como os administradores públicos (os quais, de fato, exprimem crenças, ideais e práticas nacionais) veem o papel dos professores na nossa sociedade”.

Depois, apoiei enfaticamente a resistência. Uma escola não é uma fábrica. Professores não são donos e alunos, empregados. No mundo do trabalho, essa oposição pode ter a marca da contradição. No universo do ensino, trata-se do justo oposto: o encontro de mestres e alunos promove reversões e estes se tornam mestres ainda mais sagazes e cultos do que aqueles. Ideias valem mais do que dinheiro e a sua mais-valia é uma troca na qual quem não sabia acaba sabendo mais do que o mestre. 

No caso, afirmei, o revolucionário é resistir - continuar a qualquer custo.

Em seguida, lembrei um dos axiomas mais trágicos da vida social brasileira. Um princípio estruturante da nossa concepção de mundo, que tenho ouvido quando sou apresentado como professor.

O boçal olha para mim com um misto de pena e desprezo, enche a boca, e arrota: “Quem sabe faz! Quem não sabe, ensina!”. 

F...-se as escolas, os colégios e as universidades. 

Como se ensinar não fosse de fato e de direito o maior e o mais englobante dos fazeres e como se o fazer fosse possível sem o balizamento da competência, do limite, do desperdício e da dignidade para com o todo ao qual pertencemos. Ora, ensinar é justamente a teoria com a prática de fazer enxergar o conjunto. Ensinar é falar de como as coisas começam, onde elas estão, como funcionam e para onde podem ir ou devem seguir. É uma escada construída unindo diferente gerações. Nela, ninguém está parado e quem está subindo acaba descendo e quem começa termina no alto. É essa movimentação que constitui o ensino e é nela que se assenta a inovação.

Nesse processo, há balizamentos claros. Ninguém ensina o que não sabe. Ninguém pode desempenhar um papel sem um mínimo de sinceridade. Não há como mudar sem pensar na responsabilidade para com o conjunto: o país, a nossa contemporaneidade, o mundo em que vivemos. Sem essa consciência, Verdade e Beleza jamais se unem. Pelo contrário, elas são assassinadas como parece estar ocorrendo neste nosso Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.