Quem foi Madre Teresa de Calcutá

Madre Teresa de Calcutá era conhecida como a "Madre dos Pobres" ou "Santa dos Desamparados". Não à toa. Dos 87 anos de vida, 69 foram dedicados aos trabalhos de caridade. Ela dizia que seguia o exemplo de Cristo e de seu grande imitador, São Francisco de Assis. Nascida no dia 27 de agosto de 1910, na cidade de Skopje, na Macedônia, como Agnes Gonxha Bojaxhiu, decidiu seguir a vida de religiosa influenciada por padres da região. Filha de vendedores albaneses, ingressou aos 18 anos na ordem de Nossa Senhora de Loreto. Foi para um mosteiro em Dublin, na Irlanda, e de lá, enviada para a Índia, na cidade de Calcutá, onde vestiu o hábito, em 1928. Passou a ensinar a crianças bem-nascidas, seguindo o lema: "Educai a classe alta, que por sua vez ensinará a vida cristã aos pobres." Após uma viagem de trem pelo local, viu um grande número de miseráveis pelo caminho, decidiu largar as aulas para dedicar-se exclusivamente aos pobres. Costumava dizer que dava assistência aos pobres, mas os mais pobres, aqueles largados nas ruas. Ganhou notoriedade mundial por seu trabalho, que começou sem apoio financeiro, mas com a ajuda de moças indianas. Elas assumiram quatro votos: pobreza, caridade, obediência e, o principal deles, compaixão. Vestindo apenas saris indianos e sandálias, em 1950 fundou a ordem das Missionárias da Caridade. Por seu trabalho, recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1979, quando declarou que "a pior enfermidade de nossos dias não é a lepra ou a tuberculose, mas a falta de afeto". Morreu vítima de problemas cardíacos em setembro de 1997, ao lado das pessoas de que sempre cuidou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.