Quarto sucesso de Harry Potter

O tempo passou, a adolescência chegou, mas Harry Potter ainda é um personagem em plena forma. Aos 14 anos, o menino bruxo que trava uma interminável batalha com Lord Voldemort, o vilão da saga, volta para disputar a lista dos livros mais vendidos em Harry Potter e o Cálice de Fogo (Rocco, 584 páginas, R$ 36 em média), quarto volume da série que já atingiu marcas respeitáveis no mercado editorial brasileiro - os outros três livros já venderam cerca de 450 mil exemplares e este novo episódio chega às livrarias com uma edição inicial de 100 mil volumes.A consagração, aliás, é mundial: até o momento, a série de histórias criada pela escocesa J.K. Rowling já vendeu 100 milhões de exemplares em todo o planeta, em 42 idiomas. E a saga que terá um total de sete volumes, vai ganhar um poderoso incremento em 16 de novembro, quando deverá estrear, nos Estados Unidos, a versão cinematográfica de Harry Potter.Trata-se da história do menino órfão que, rejeitado e maltratado pelos tios, descobre, aos 11 anos, que é um bruxo. Torna-se famoso por ser a única pessoa a sobreviver a um feitiço mortal, lançado quando ele estava com 1 ano por Lord Voldemort, poderoso bruxo, assassino de seus pais. Ao tentar matar o menino o vilão tem a maldição voltada contra si, tornando-o um espectro do que era. Do confronto, Harry Potter ficou com uma cicatriz em forma de raio na testa.Na nova aventura, o garoto retorna das férias para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, onde vai cursar a quarta série, quando é surpreendido por uma notícia: a tradicional Copa Anual de Quadribol será substituída pelo Torneio Tribuxo, uma competição amistosa entre as três maiores escolas européias de bruxaria, que não se realizava havia um século. Mais surpresas: apesar de alunos menores de 17 anos não poderem se inscrever no torneio, Harry é misteriosamente escolhido para competir como um dos campeões de Hogwarts. Logicamente, trata-se de mais uma armadilha de Lord Voldemort.Como seu personagem cresce na mesma medida que seus leitores (um ponto positivo da série), a escritora J.K. Rowling tem a possibilidade de aumentar a complexidade da trama na mesma proporção. Assim, a história não se limita mais aos lances de magia, imprimindo outros assuntos, mais corriqueiros, como uma discreta paixão de Harry por uma colega da escola, Cho-Chang, pouco animada a retribuir.Enquanto escreve o quinto volume da série, Harry Potter e a Ordem do Fênix, ainda sem data de lançamento, Rowling preocupa-se também com a finalização da versão cinematográfica, que tem a direção de Chris Columbus. A escritora teve liberdade para palpitar sobre as soluções apresentadas pelos produtores.A produção repercutiu o sucesso dos livros: quando os produtores anunciaram a busca de um garoto para interpretar o papel principal, milhares de pais congestionaram a Internet em busca de informações sobre testes. O escolhido foi o garoto inglês (a nacionalidade foi uma imposição da escritora) Daniel Radcliffe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.