Quarteto

Senhoras e senhores, obrigado. Antes de mais nada quero pedir desculpas pelo atraso. Tivemos um pequeno problema nos bastidores, um desentendimento, e o resultado é o que veem aqui no palco, um quarteto de cordas reduzido a dois. Nosso violoncelista não concordou com a mudança do programa de hoje, parte do meu projeto de popularização da música de câmara, com a substituição do quarteto número 8 em si menor, opus 59 de Beethoven por um arranjo para cordas de Ai Se Eu Te Pego e se recusou a entrar no palco. O mesmo aconteceu com nosso segundo violino, que também não concordou com a mudança, e está neste momento a caminho de um hospital. Respeito democraticamente o direito de todos de discordarem de mim, apesar de ser o líder do grupo, mas não admito que insultem a minha mãe. No fundo, o que se discute é a adaptação da música erudita aos tempos modernos, já que o público para os clássicos tem diminuído assustadoramente e é preciso reagir. Os acontecimentos desta noite são apenas o, digamos assim, ápice - a erupção do furúnculo, se me permitem uma imagem nojenta - de uma situação que se prolonga desde que eu expus ao grupo meu plano para a renovação do nosso repertório e das nossas apresentações. Já tinha havido resistência à minha ideia de entrarmos os quatro no palco de bicicleta, com máscaras de macacos. Ninguém se manifestou então, mas sei que houve descontentamento e que começou uma campanha para me desmoralizar, inclusive me chamando de louco pelas costas. Houve até o acidente do violoncelo que caiu na minha cabeça, que o violoncelista jurou ter sido mesmo um acidente, o que não explica o fato de ele estar segurando seu instrumento como um tacape. Também foi mal recebido meu convite para a Ivete Sangalo dar uma canja conosco, tocando o instrumento que quisesse no quarteto numero 14 em sol maior de Mozart, desde que mostrasse as pernas. Mas não tínhamos tido um motim até esta noite. De certa forma, foi bom que isto acontecesse. Pelo menos as coisas agora estão às claras, as posições estão definidas e estamos livres de mesquinharias como a de espalharem o boato de que eu toco com playback enquanto os outros três tocam ao vivo, e minha suposta opção sexual pelo bestialismo, com preferência por galinhas. Também acabam as frases desaforadas e as ameaças escritas nas minhas partituras. Quero agradecer de público ao nosso violista - palmas para ele, por favor - que permaneceu fiel e está aqui no palco comigo. Sua lealdade se deve ao seu bom caráter e ao fato de que com a ausência dos outros a renda do concerto desta noite será dividida por dois e não por quatro, como acontece normalmente, e ele estar comprando uma lavadora.

Verissimo, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2013 | 02h10

Enfim, senhoras e senhores, obrigado pela sua paciência. As outras modificações no programa são menores. O Dvorak será tocado com ritmo de axé e reservamos uma surpresa para o final, quando receberemos no palco Ernani, o cachorro cantor, que se juntará a nós no Vivaldi. E vocês devem ter notado que tanto eu quanto o violista estamos nus, o que acrescenta um toque naturalista à nossa apresentação, em contraste com o costumeiro formalismo dos quartetos de cordas, que ninguém aguenta mais.

Então, vamos lá. Ai Se Eu Te Pego.

Mais conteúdo sobre:
Verissimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.