Quando a trama de espionagem revela sua face política

Crítica: Luiz Zanin Oricchio

O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2012 | 03h09

JJJJ ÓTIMO

JJJ BOM

John Le Carré é grife quando o assunto é espionagem. Afinal, o escritor conheceu por dentro o métier. Sabe do que fala. E, como escreve muito bem, nos enreda em suas tramas. O cinema tem fascínio por ele. Este O Espião Que Sabia Demais é o mais novo exemplar, numa bela adaptação de Tomas Alfredson, que faz o arroz com feijão para não estragar o texto.

Gary Oldman é soberbo como George Smiley, alter ego de Le Carré. Smiley está fora do serviço (foi retirado, na verdade). Mas é reconduzido quando se descobre que existe um infiltrado trabalhando no coração do serviço de informações. Precisam de um tipo à antiga, como Smiley, para descobrir o agente duplo, tipo comum na Guerra Fria.

Como sempre, em se tratando de Le Carré, os diálogos são muito bons e as situações enroladas e misteriosas. Se o espectador não prestar muita atenção, perderá o fio da história. Talvez perca, mesmo se não desgrudar os olhos da tela. Histórias de espiões são ambíguas, mostram-se apenas de leve e nunca o que parece de fato é. Os diálogos são cortantes. Um dos amigos de Smiley recorda os bons tempos. Outro lhe recorda os sofrimentos da época, e o primeiro responde que, pelo menos, se sabia a quem combater. A fala diz muito sobre o nosso tempo.

Com elenco de ponta, com nomes como John Hurt, Tom Hardy e Colin Firth, Alfredson trata de fazer um filme elegante, no qual as questões da espionagem revelam sua verdadeira natureza, a de fatos da política.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.