Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Qual deles?

A questão é saber que Bolsonaro tomará posse em janeiro, o cospe fogo ou o razoável

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

29 Novembro 2018 | 02h00

Num discurso que o Fernando Henrique chamou de inacreditável, transmitido poucos dias antes da sua eleição, o candidato Bolsonaro rugiu que no seu governo os “marginais vermelhos” seriam banidos do País e seus opositores só teriam uma escolha, aderir ou ir para a cadeia apodrecer junto com o Lula. Mesmo descontando-se a empolgação do momento, comum em comícios – o pessoal às vezes exagera um pouco, como disse o Sérgio Porto quando lhe contaram que andavam espalhando que ele era homossexual – o discurso era de preocupar, e não apenas o Fernando Henrique. Já tinha marginal vermelho fazendo as malas, ou aderindo. Mas dias depois, eleito, Bolsonaro fez um chamamento pela união nacional.

A questão é saber que Bolsonaro tomará posse em janeiro, o cospe fogo ou o razoável. O ministério já conhecido só sugere que vem aí uma pizza mezzo obscurantista e mezzo imprevisível, principalmente no que toca ao comportamento de uma direita com raiva da esquerda, e com poder. Um dos novos ministros disse que a presença de uns poucos militares no governo não significava nada, muito menos uma militarização sorrateira. Ok, só que quem disse isso foi o quarto militar convocado pelo Bolsonaro. Quando perguntaram ao Sérgio Moro por que o chefe da Casa Civil da Presidência não tinha sentido todo o peso da impiedosa Lava Jato no lombo pelo seu envolvimento com caixa dois, Moro respondeu: “Porque ele pediu desculpa”. De onde se deduz que o Lula só recebeu o rigor desproporcional da lei por falta de educação.

É impossível discutir com 60 milhões de votos. Bolsonaro foi eleito limpamente. Que seja e nos faça feliz, e viva a democracia. Pena que seu eleitorado não tinha como saber que um dos seus ministros seria um para o qual aquecimento global e ambientalismo são coisas de comunistas, também responsáveis pelo distanciamento entre os homens e Deus, que outro ministro foi imposto pelos evangélicos, que não demorará muito para decretarem que o criacionismo desbanque o evolucionismo nos livros das crianças, e que nos livros de história os 20 anos de ditadura passem a ser chamados de movimento de tropas, segundo a teoria Toffoli. 

Mais conteúdo sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.