Divulgação
Divulgação

Quadro de Lygia Clark é vendido por US$ 2,225 milhões em Nova York

Valor é o maior já pago por obra da brasileira em venda pública; recorde anterior era de US$ 565.574

Tonica Chagas - Especial para o Estado,

23 de maio de 2013 | 19h47

NOVA YORK - Contra Relevo (Objeto Nº 7), criado em 1959 por Lygia Clark (1920-1988) foi arrematado na tarde desta quinta-feira, 23, por US$ 2,225 milhões no leilão de arte latino-americana promovido pela Phillips, em Nova York, alcançando recorde de preço para obra da artista brasileira em venda pública. O recorde anterior obtido em leilão por um trabalho de Lygia era de US$ 565.574, preço pago em 2010 por um de seus Bichos, esculturas de alumínio da década de 1960, vendido também pela Phillips, em Londres.

O quadro de Lygia (uma das 29 obras de artistas brasileiros entre os 99 lotes colocados à venda na Phillips) tinha estimativa entre US$ 600 mil e US$ 800 mil e obteve o maior preço do leilão. O primeiro lance, oferecido por um colecionador representado pela própria casa de leilões, foi de US$ 480 mil. Mas a disputa ficou entre uma mulher presente na sala da Phillips e um licitante por telefone, com lances de US$ 50 mil um contra o outro. O lance final, apresentado pela mulher (que não quis se identificar), foi de US$ 1,85 milhão. A diferença para o preço final é a comissão cobrada pelos leiloeiros.

Contra Relevo (Objeto Nº 7), que a Phillips estampou na capa do seu catálogo, é um pequeno quadro de compensado (55,5 x 55,5 x 4,5 cm) com três figuras geométricas pintadas de preto e branco com tinta industrial. O interesse que provocou entre galeristas e colecionadores se deve a sua raridade: criado no mesmo ano do Manifesto Neoconcreto, o quadro foi dado de presente pela pintora a um colecionador brasileiro, de quem seu proprietário até ontem o adquiriu. A obra teria sido exibida em público apenas uma vez, na Bienal de Artes Plásticas da Bahia, em 1966.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.