Quadro de 'Família Soprano' é vendido por 175 mil dólares

Uma pintura dos personagensprincipais de "A Família Soprano", reproduzindo a pose do duquee da duquesa de Urbino numa tela do século 15, foi vendida por175 mil dólares, o que seria o preço mais alto pago por umobjeto relacionado a um seriado de TV de enorme sucesso. James Gandolfini e Edie Falco, que representaram o chefãomafioso Tony Soprano e sua mulher, Carmela, na série da HBO queficou no ar entre 1999 e 2007, olham fixamente um para o outro,em perfil, exatamente como fazem o duque e a duquesa de Urbinono quadro original de Piero della Francesca, pintado por voltade 1465 a 1470. O ator coadjuvante Federico Castelluccio, que fez o matadoritaliano Furio Giunta, que se apaixonou por Carmela, pintou atela depois de ter a idéia durante viagem que fez a Florença,quando viu o quadro de Della Francesca na galeria Uffizi. "Vi aquela pintura pessoalmente e isso me fez pensar queseria interessante pintar James Gandolfini e Edie Falco como oduque e a duquesa de Urbino, mas chamar a tela de 'O Duque e aDuquesa de North Caldwell"', disse Castelluccio, referindo-se àcidade em Nova Jersey onde vivem os personagens da famíliaSoprano. "Eles estão olhando um para o outro, mas parecem estarolhando para além um do outro, como se houvesse mil metros dedistância entre eles. Tive essa idéia na quarta temporada,quando eles se separam", contou Castelluccio. Ele contou que recentemente vendeu o quadro ao executivopetrolífero de Toronto Robert Salna por 175 mil dólares. Acolecionadora Keya Morgan, que mediou a venda, disse à Reutersque esse foi o maior preço já pago por um objeto de memorabíliade "Família Soprano". Em junho, James Gandolfini vendeu seus figurinos do seriadoem 25 lotes, arrecadando 187.750 dólares para fins beneficentes-- quatro vezes o valor previsto pela casa de leilõesChristie's. Gandolfini e Falco posaram para uma sessão de fotos, apartir das quais Castelluccio fez desenhos e depois pintou oretrato. "Nunca pensei no quadro como uma coisa de 'FamíliaSoprano"', disse Castelluccio. "A pintura é minha vida. Gostomuito de atuar e de criar personagens, mas, se o trabalho deator saísse de minha vida amanhã, isso não seria problemaporque eu ainda teria a pintura."

DANIEL TROTTA, REUTERS

18 de julho de 2008 | 18h36

Tudo o que sabemos sobre:
ARTEQUADROSOPRANO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.