Puro Kazantzakis

Primeira tradução do grego, Vida e Proezas de Aléxis Zorbás resume a filosofia do autor, baseada em Bergson e Nietzsche

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2011 | 00h00

Com a recente morte do cineasta grego Michael Cacoyannis (1922- 2011), no dia 25 do mês passado, voltou-se a falar de seu maior sucesso, a transposição para o cinema, em 1964, do romance escrito pelo patrício Nikos Kazantzákis (1883-1957), Vida e Proezas de Aléxis Zorbás. Por coincidência, a primeira tradução direta do grego do livro, escrito em 1946, chega ao mercado lançada por uma pequena editora, Grua Livros, de catálogo ainda limitado mas precioso (é do mesmo selo o notável Sobressalto, de Kenneth Cook, igualmente transformado em filme, Outback/Pelos Caminhos do Inferno, dirigido pelo canadense Ted Koctcheff).

Tanto como o filme de Cacoyannis, fiel ao livro, o romance de Kazantzákis é uma elegia ao poder vital que certas criaturas como Zorbás (Zorba, no cinema) têm de transformar a vida de indivíduos marcados pelo ceticismo e a desconfiança, caso do narrador do livro, que, ao destacar os três homens mais influentes em sua vida, cita Bergson, Nietzsche e Zorbás. O último é obra de ficção, mas os dois primeiros pensadores foram, de fato, fundamentais na construção do pensamento filosófico de Kazantzákis.

Zorbás é uma força da natureza. O narrador, um intelectual que resolve explorar uma mina de linhito em Creta, é em tudo seu oposto. Zorbás é capaz de ir para a cama com uma velha atriz francesa por compaixão e irrita-se com a ambiguidade do patrão, perdido entre o ideal socialista e sua aventura capitalista na ilha. Também não entende a razão de o mesmo ler tantos livros se eles não o ensinam a enfrentar a tragédia humana. Para Zorbás, o homem é apenas um animal. Nada além. Para Kazantzákis, cujo movimento pendular é igual ao do narrador - entre o comunismo e o cristianismo -, o homem pode ser algo além. É desse confronto que nasce uma das mais belas histórias de amizade da literatura do século 20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.