Público interage com atores em <i>Voltaire de Souza</i>

Eles chamam de ?deriva? o exercícioque é a base do espetáculo que será criado pelos grupos LinhasAéreas e Atelier de Manufactura Suspeita, por meio do projeto depesquisa intitulado Voltaire de Souza. Ziza Brisola, atrizfundadora do Linhas Aéreas, dá um exemplo de ?deriva?. "Andarpelas ruas com um cartaz em que se lê: ?procuro namorado?,disposta a dialogar com quem reagir à provocação." Já uma outraatriz, Fernanda Moura, diz ?independência ou morte? diante dehomens de terno. Todos do elenco realizaram ?derivas? e osdiálogos que surgiram entre eles e os transeuntes vão fornecer amatéria-prima para a futura montagem. A idéia de criar um espetáculo a partir de improvisaçõespartiu de Ziza Brisola, que chamou então o diretor MauricioParoni de Castro, que sugeriu as ?derivas?, e ainda houve, comofonte de inspiração, as crônicas do jornalista Marcelo Coelhopublicadas no jornal Agora sob o pseudônimo de Voltaire de Souza São personagens de suas crônicas, entre eles a ?biscate?Gilvanka ou o morador de rua Fergusson, que os atores - ZizaBrisola, Fernanda Moura, Roberto Alencar, Vanderlei Bernardino,Fabio Marcoff e Alexandre Magno - vão levar nesta sexta-feira à PraçaRoosevelt na segunda etapa do processo de criação. Nessa etapa, todas as sextas, sábados e domingos apartir das 18 horas, os atores vão encontrar o público no Espaçodos Satyros 1 e, juntos, percorrer a Praça Roosevelt. O objetivoé que o público possa interagir com os atores/personagens: fazerperguntas sobre suas vidas, contracenar. Assim, com essa novaespécie de diálogo, na fronteira entre ficção e realidade, osespectadores podem contribuir, conscientemente, para esseprocesso de criação que teve início em setembro e conta com oapoio do Programa Municipal de Fomento ao Teatro. Todas as derivas realizadas até agora foram gravadas e oresultado será posto à disposição de pesquisadores. Por exemplo,ações simples como derrubar e colher papéis resultaram naexpulsão de um ator do shopping Iguatemi. "Nas ruas do centro,toda ação é acolhida. O shopping, ficou claro, não é um espaçopúblico. Qualquer ação, mesmo simples, que se desvie do padrãoameaça e provoca expulsão", conta Ziza.Voltaire de Souza. Satyros. Praça Roosevelt, 214, 6ª a dom.,18h. (11) 3258-6345. Grátis

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.