Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE

Público escolhe seus favoritos

Uma ficção e dois documentários brasileiros estão entre os indicados para concorrer ao troféu Bandeira Paulista

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2010 | 00h00

Apenas uma ficção brasileira - Rosa Morena, de Carlos Oliveira, coprodução com a Dinamarca - foi selecionada pelo público e está entre os 12 longas da categoria que concorrem ao prêmio da Mostra. Embora seja um grande, imenso evento de cinema, a Mostra tem um público de cinéfilos que parece não se interessar muito pela produção nacional. Estamos falando da parte ficcional. Sessões como a da versão restaurada de Ainda Agarro Essa Vizinha, de Pedro Rovai, um marco da pornochanchada, chegaram a ser melancólicas, tão reduzido era o público.

Mas não há do que reclamar. Os espectadores da Mostra preferem os documentários brasileiros e dois deles estão entre os sete que disputam o troféu Bandeira Paulista de 2010 - Camponeses do Araguaia - A Guerrilha Vista por Dentro, de Vandré Fernandes, e O Samba Que Mora em Mim, de Geórgia Guerra-Peixe.

 

 

Veja também:

tabela Programação da Mostra

 

A Mostra acredita na democracia e, em matéria de eleição, o voto popular é soberano. Leon Cakoff e Renata de Almeida assinam a curadoria e selecionam os títulos que compõem a seção Primeiros Diretores. Em cima da pré-seleção que eles fizeram, o público escolhe os finalistas ao troféu Bandeira Paulista, uma criação da artista plástica Tomie Ohtake.

Desde ontem, o júri internacional já assiste a esses filmes. A premiação será na noite de quinta-feira, seguida de uma mudança importante na programação. A Mostra deveria encerrar-se com o novo filme de François Ozon, mas surgiram problemas de ordem técnica e Potiche está sendo substituído por um filme que pode ser melhor ainda - pelo menos, é uma das grandes promessas anunciadas do cinema norte-americano neste final de ano. Pelo muito que se tem falado de Rede Social, sobre a criação do Facebook - e pela extraordinária importância de seu autor -, o novo longa de David Fincher é aguardado como "filme de Oscar". E o público da Mostra vai vê-lo em primeira mão no Brasil.

Glamour e ficção. O anúncio dos finalistas ao troféu Bandeira Paulista de 2010 foi feito na manhã de sábado, numa coletiva que coincidiu com a apresentação dos júris. Existem dois, o que avalia as ficções e o outro, especial para os documentários. O curioso é que, apesar da projeção que os documentários vêm ganhando no próprio mercado, o glamour da competição fica sempre com a parte de ficção. Entre os jurados da categoria estão o crítico francês Michel Ciment e o diretor inglês Alan Parker. Ambos foram entrevistados pelo Estado na sexta-feira.

Parker estava de ótimo humor na coletiva. Confessou que, no começo da carreira, queria matar os críticos. Fã de futebol, acrescentou que nada provava mais sua dedicação do que o fato de estar ali no momento em que rolava um importante jogo na Inglaterra (e que ele estava perdendo na TV). Ciment, que testemunhou o nascimento do Cinema Novo e dedicou extensas análises a obras de Glauber Rocha e Ruy Guerra, disse que, até certo ponto, é normal que a nova geração do cinema brasileiro não tenha autores tão grandes (ocorre o mesmo na Itália, acrescentou). As revistas de cinema, incluindo a sua Positif, estão mais interessadas em outras cinematografias, mas ele destacou dois cineastas brasileiros cuja importância lhe parece indiscutível - Hector Babenco e Walter Salles. Na sua reta final, a Mostra segue proporcionando descobertas a seus cinéfilos - somente esta semana, quarta e quinta, será apresentado um dos maiores filmes desta edição, Um Homem Que Grita, de Mahamat Saleh-Haroun, do Chade.

OS FINALISTAS

Ficções

A Árvore, de Julie

Bertucelli, França/Austrália

A Valsa das Flores,

de Alyouna Semenovam e Alexander Smirnov, Rússia

Abel, de Diego Luna, México

Azul da Cor do Mar, de Donatella Maiorca, Itália

Beyond, de Pernilla

August, Suécia/Finlândia

Hermano, de Marcel

Rasquin, Venezuela

Irmandade, de Nicolo

Donato, Dinamarca

Peepli ao Vivo, de

Anusha Rizvi, Índia

Quando Partimos, de

Feo Aladag, Alemanha

Rosa Morena, de Carlos

Oliveira, Brasil/Dinamarca

Sou Terrorista, de

Valérie Gaudissart, França

Terceira Estrela, de

Hattie Dalton, Reino Unido

Documentários

A Rota das Tintas, de Pamela Valente, França

Camponeses do Araguaia - A Guerrilha Vista por Dentro, de Vandré Fernandes, Brasil

Exit Through the Gift Shop,

de Banksy, Reino Unido

Jardim Sonoro, de

Nicola Bellucci, Suíça

O Samba Que Mora em Mim, de Georgia Guerra-Peixe, Brasil

Os Dois Escobares, de Jeff Zimbalist e Michael Zimbalist, EUA/Colômbia

Sinfonia de Kinshasa, de Claus Wischman,

Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.