Psicodelia sobre rodas

A viagem mais sem noção dos Beatles se torna cult ao ser lançada com análises de Paul McCartney

BENTO ARAUJO , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2012 | 02h09

Durante alguns dias de 1967, os Beatles carregaram uma equipe de filmagem, família e um elenco de atores em um ônibus psicodélico. O resultado foi o terceiro filme deles, que agora ganha versão restaurada com muitos extras em DVD e Blu-Ray.

Depois de A Hard Day's Night e Help!, os Beatles queriam ir além. O desejo era rodar algo que estivesse em sintonia com o mundo jovem do período, aquele do Verão do Amor. Richard Lester, o diretor dos filmes citados, declarou que gostaria de ver o quarteto se autodirigindo em seu próximo filme, mais ou menos como faziam em seus discos. Paul McCartney não só levou o projeto a sério como vendeu, com alguma dificuldade, os tickets da excursão mágica e misteriosa para os companheiros de banda.

"Fomos improvisando. Pensávamos que seria uma boa fazer apenas um filme, ter uns projetos e ir para alguns lugares filmá-los. Eu basicamente disse aos rapazes: 'Tenham algumas ideias que tentaremos fazer algo com elas'." É assim que Paul começa um dos apetitosos extras da nova versão de Magical Mystery Tour (MMT), que acaba de chegar às lojas.

Só pelos extras já valeria a aquisição. Além de Paul dissecando a obra, há making of, cenas inéditas, entrevistas recentes com Paul e Ringo, novas edições das performances musicais e um promo de Hello Goodbye. Outra surpresa é o Traffic, de Steve Winwood, encenando Here We Go Round The Mulberry Bush por encomenda dos Beatles, mas a gravação não foi aproveitada na edição final.

Resenhar MMT é como tentar explicar o inexplicável. Como filme, é uma atrocidade, tanto técnica como narrativa, apesar de Spielberg citá-lo como influência de sua geração de cineastas. Como apenas mais um artefato da carreira do maior grupo pop do mundo, é divertido. Entretenimento garantido para quem assistiu em 1967, ou vê agora pela primeira vez.

Paul encara MMT como uma espécie de A Hard Day's Night "on acid", em que elementos daquele primeiro e ingênuo longa ecoam no decorrer da trama. O amadorismo na produção de Magical acabou se tornando um de seus charmes, ou seu maior trunfo. Os atores foram escolhidos às pressas, com aqueles aptos a improvisar levando vantagem. Assim, há atuações surpreendentes, como a de Ivor Cutler encarnando Buster Bloodvessel e Victor Spinetti como um mal-encarado oficial do Exército. Em favor do teor fantástico da trama, Paul nem se deu ao trabalho de usar algo básico, como uma claquete. Por essa razão, a edição do filme tornou-se caótica e atrasou o lançamento em pelo menos dez semanas.

Mesmo com a atuação sempre divertida de Ringo, com um George introspectivo e John brilhando como um encardido garçom italiano, os pontos altos de MMT são as composições criadas especialmente para o filme. I Am The Walrus é o melhor de todos esses segmentos, em que o surrealismo da canção casou perfeitamente com o surrealismo das imagens. Um carnavalesco bloco de 'homens-ovo' e os músicos usando máscaras de animais são performances visuais gravadas pelos Beatles em I Am The Walrus, o que realça a importância do filme.

A sequência de The Fool On The Hill foi filmada nas montanhas do Sul da França, durante uma única manhã, e traz Paul beatificado como o próprio tolo de sua canção. Em Blue Jay Way, George surge como o mais espiritual integrante, rodeado de velas e cítaras. A cena final baseada em Busby Berkeley, com You Mother Should Know, quase não aconteceu, por causa de um gerador que não funcionava direito enquanto a sequência era rodada num hangar.

MMT raramente foi exibido na íntegra desde a sua transmissão original da BBC, em preto e branco, em 26 de dezembro de 1967. "O filme se tornou um improviso excêntrico, que deixou o público confuso na época. Com o passar dos anos, Magical Mystery Tour surge como uma agradável lembrança daquele período de nossas vidas", escreve Paul no encarte do DVD.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.