Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Proust e Colette

Quis o destino, que gosta dessas coisas, que dois espécimes da vida parisiense se encontrassem na Place Vendôme, certa tarde: Marcel Proust e Colette

Luis Fernando Verissimo, Impresso

02 Dezembro 2018 | 02h00

Quase no fim da 1.ª Guerra Mundial (a Grande Guerra, a que acabaria com todas as guerras), os alemães montaram um grande canhão sobre trilhos, com poder e alcance até então inéditos e um único fim: bombardear Paris. O canhão ganhou o apelido de Big Bertha pelo seu tamanho e, dizem, em homenagem à mulher do Krupp, dono da fábrica que o construíra, que presumivelmente lembrava um canhão. Mas isso pode ser maldade de parisienses ressentidos.

*

Começava então um confronto que se repetiria com o passar do tempo e o desenvolvimento de armas cada vez mais terríveis: o das cidades como símbolos de civilização e convívio contra os meios de destruí-las, símbolos da irracionalidade humana. Ou de um tipo de racionalidade perversa, que quer a destruição de tudo que simbolize cultura, arte ou vida inteligente para nos devolver às cavernas. Se o Big Bertha tivesse mais tempo teria transformado boa parte de Paris em entulho. Anos mais tarde, na outra Grande Guerra, Hitler ordenaria que Paris fosse queimada, para aprender a não ser Paris. Foi desobedecido.

*

Quis o destino, que gosta dessas coisas, que dois espécimes da vida parisiense se encontrassem na Place Vendôme, certa tarde: Marcel Proust e Colette. Os dois jovens, os dois escritores começando a aparecer, os dois autores de texto rarefeito, um homossexual e a outra bi. Proust já tinha publicado o primeiro volume do seu Em Busca do Tempo Perdido, recebido com discretos elogios, e preparava o segundo. As noveletas de Colette já tinham um público certo, mas sucesso relativo. Conheciam-se apenas superficialmente, dos salões literários que frequentavam. O encontro na Place Vendôme também não teria passado de abanos de longe se não tocasse uma sirene anunciando que um projétil do Big Bertha se aproximava, forçando os dois a buscar refúgio no Hotel Ritz.

*

Sei tudo isso de uma biografia da Colette, mas a conversa dos dois no bar do Ritz é imaginária. Imagino que conversaram sobre o Big Bertha, sobre o incômodo daqueles bombardeios sem hora certa. Colette perguntou se as explosões estavam afetando o estilo de Proust. “Meu estilo e meus cristais”, disse Proust. “Eu também não consigo trabalhar”, disse Colette. “Os alemães não sabem como estão influenciando a literatura francesa com a retórica bombástica do seu canhão”, disse Proust. “Nós vamos vencê-los, Marcel?”, perguntou Colette. “A guerra? Claro. Ouvi dizer que já tem tropas alemãs se entregando”, respondeu Proust. “A guerra não, Marcel. Nós, o nosso talento, a nossa arte, contra as Big Berthas que virão”, disse Colette. “Temos que vencer, Colette. Eu ainda preciso escrever mais seis volumes do meu Em Busca do Tempo Perdido.”

Mais conteúdo sobre:
literaturaMarcel ProustColette

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.