Protestos

No livro Uma História de Duas Cidades, Charles Dickens escreve sobre a Revolução Francesa e seus efeitos e reflexos em Paris e em Londres. É o livro que começa com a frase "Foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos". Um Dickens redivivo poderia escrever sobre o contraste entre a reação na França e na Inglaterra às recentes medidas de austeridade tomadas pelos dois governos, Sarkozy tentando reformar o sistema de aposentadoria na França e o novo governo conservador na Inglaterra anunciando cortes e sacrifícios de fazer corar até a Mrs. Thatcher. Apesar da proposta do Sarkozy ser mais amena - aumentar para 62 anos, em vez de 60, a idade para aposentadoria, que em outros países da união europeia já é de 65 e 67 -, os franceses foram para a rua protestar, os ingleses, não. Sindicatos franceses fizeram, e continuam fazendo, greves. Os ingleses, até agora, nada.

Luis Fernando Veríssimo, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2010 | 00h00

A diferença, diria Dickens, tem a ver com História e personalidade. Os ingleses não têm uma tradição de ir para as ruas. Os franceses gostam tanto de uma manifestação que tem um apelido carinhoso para elas: manif. Paris se organiza para contornar as manifs e as greves com a prática de anos. Fica-se sabendo no dia anterior que linhas de ônibus serão interrompidas, quantos trens de metrô deixarão de funcionar - e, para quem não viu na TV, há cartazes explicativos nas paradas. A questão da mudança de dois anos no tempo de trabalho requerido para a aposentadoria não parecia justificar tanto protesto, e muito menos a adesão dos estudantes, que se manifestaram como nunca antes desde 1968. Mas a reforma da aposentadoria pareceu mais um pretexto para a rebeldia contra Sarkozy e seu estilo personalista e arrogante. Qualquer pretexto serviria.

Enquanto isso, na Inglaterra, o que o novo primeiro-ministro Cameron propunha era uma revolução social, o desmantelamento de um sistema de vida para salvar a economia. A parca reação dos ingleses às medidas duras se deve à pouca mobilidade dos sindicatos, que ainda se ressentem da sua derrota na revolução da Thatcher, e à tradição de estoicismo que a nação gosta de cultivar como uma virtude exclusiva. E ao fato de que, afinal, lá ninguém é francês.

Enquanto isto, nunca se viu tanto turista na Europa, e o outono - pelo menos em Paris - os recebeu com festa. Enfim: o pior dos tempos, o melhor dos tempos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.