Projeto quer revitalizar a Cinelândia

Conhecida nos anos 50 como a Broadway brasileira, a Cinelândia, no centro do Rio, será alvo de um projeto de revitalização que quer fazer com que a praça volte a ser um ponto de referência para os cariocas. Representantes da prefeitura e de entidades públicas e privadas se reúnem hoje para começar a discutir as ações a serem desenvolvidas. Sob a coordenação do sub-prefeito do centro, Breno Arruda, e do vereador Ricardo Maranhão (PSB), os representantes das entidades percorrerão os principais pontos da Cinelândia para analisar o que deve ser incluído no relatório do projeto.Inicialmente, serão avaliados policiamento, iluminação, número de vagas para estacionamento, saneamento e placas indicativas dos principais locais históricos, como o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes, além dos cinemas e do Palácio Pedro Ernesto, onde funciona a Câmara dos Vereadores. "Algumas medidas são fáceis de serem tomadas, como o cumprimento das posturas municipais que determinam a conservação de fachadas e calçadas, por exemplo", afirmou Maranhão, idealizador do projeto. O sub-prefeito do centro, Breno Arruda, informou que a recuperação do piso, arborização, e retirada de camelôs da Cinelândia deverá começar imediatamente. "Queremos que o projeto englobe também áreas contíguas, como a rua Álvaro Alvim, que será fechada para o trânsito e receberá mais iluminação", explicou Arruda, lembrando que a licitação para o projeto será lançada em agosto.HotelParalelamente ao desenvolvimento do projeto, a Cinelândia já vem sofrendo algumas melhorias, fruto de investimentos da iniciativa privada na área. O edifício Amarelinho, que abriga o tradicional bar de mesmo nome, foi inteiramente restaurado no ano passado. Uma garagem subterrânea, com capacidade para 1.100 veículos, está sendo construída na área e deverá estar pronta em 18 meses. O maior investimento da iniciativa privada será a reforma do Hotel Serrador, cujo prédio está desocupado desde 1987.O projeto de recuperação do hotel é uma parceria entre a Petros (fundo de pensão da Petrobras, dono do prédio) e a rede hoteleira Tropical. Orçada em R$ 40 milhões, a reforma prevê a modernização total do edifício art déco de 22 andares, construído em 1944, além da construção de uma piscina, um restaurante, um centro de convenções e uma academia de ginástica. Está prevista também a reforma da boate Night and Day, que funcionava no hotel e, durante os anos 50 e 60 foi uma das mais famosas do Rio. A previsão é que tudo esteja pronto para receber hóspedes em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.