Projeto leva cinema ao Vale do Ribeira

O geólogo Fernando Figueiredo, de 28 anos, o biólogo Maurício de Carvalho, de 32, o agrônomo Devancyr "Pacu" Romão, de 57, e Luís Tavares, de 24, formado em Ciências Sociais, conhecem a região do Vale do Ribeira como poucos. Há anos, eles se dedicam a estudos e a programas voltados para o desenvolvimento, sobretudo econômico, dos municípios que compõem essa região situada entre São Paulo e Curitiba. Em janeiro, eles iniciaram um projeto de cinema itinerante, que precisa de patrocínio para ter continuidade.Esses programas de desenvolvimento são uma espécie de "meninas dos olhos" do grupo, como a Agenda de Ecoturismo do Vale do Ribeira (que mostra o ecoturismo como um meio de desenvolvimento), a Agenda Rural (Programa de Fortalecimento das Vocações da Comunidade, que estabelece ações junto a líderes comunitários, para identificar as demandas das populações), entre outras atividades, que contaram com a ajuda de apoiadores e parceiros. Após tanto tempo de convívio com as comunidades do Vale, eles perceberam que a linguagem audiovisual é um instrumento importante no diálogo com a população. "Nosso público, quando não é analfabeto, é semi-analfabeto. Assim, pensamos numa forma de atingi-los", comenta Maurício de Carvalho. "A questão do audiovisual é mais eficaz que o uso de documentos, livros", completa Fernando Figueiredo.A idéia teve desdobramentos como o uso de documentários e vídeos em diversas ocasiões e, mais tarde, a criação do projeto itinerante CineVale em Movimento. Para o início do projeto, o grupo conseguiu recursos junto ao Fundo Nacional da Cultura, do Ministério da Cultura. "Constatamos que, dos 23 municípios que formam o Vale do Ribeira, apenas dois têm salas de cinema", afirma Carvalho. Para o projeto-piloto, foram selecionados três municípios estratégicos: Itaoca, por ser mais tradicional; Cananéia, que tem presença forte dos caiçaras; e Eldorado, pela grande concentração de quilombos. O filme escolhido foi Narradores de Javé, de Eliane Caffé. Foram 18 projeções, realizadas em praças, escolas, associações de bairros. Agora, estão na fase de edição de imagens para o documentário que mostrará todo o processo do projeto e entrevistas com pessoas da comunidade, enquanto buscam patrocínio. Contatos pelo tel. (0-11) 9745-7459 ou pelo e-mail fcs_figueiredo@hotmail.com.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.