Projeto Coisa Fina grava composições de Moacir Santos

Era 2002 quando o saxofonista Daniel Nogueira e o contrabaixista Vinicius Pereira voltavam dos ensaios do Batuntã - grupo guiado pela exploração de ritmos brasileiros por meio de instrumentos percussivos - e o som mais ouvido no carro de Daniel saía do disco duplo "Ouro Negro", em homenagem a Moacir Santos (1926-2006). Ocupados com projetos paralelos, os dois palmilhavam ali um caminho sem volta na obra do maestro e compositor.

AE, Agência Estado

02 Agosto 2010 | 11h50

Três anos depois, em novembro de 2005, após mergulhar de cabeça no estudo do saxofone, Daniel propôs a Vinicius montar um grupo para tocar as composições de Moacir. Depois de acionar amigos músicos, surgia o Projeto Coisa Fina. Ontem, com a formação atual de 13 integrantes (oito sopros mais piano, contrabaixo acústico, guitarra, bateria e percussão), a big band faria apresentação de pré-lançamento do seu primeiro disco no Savassi Festival, em Minas. Em São Paulo, a data marcada é 16 de agosto, no Teatro da Vila, com lançamento oficial no dia 29, no Museu da Casa Brasileira.

Enquanto não chega às prateleiras, o disco "Homenagem ao Maestro Moacir Santos" poderá ser ouvido no site da banda (www.projetocoisafina.com.br). Das nove faixas do CD de estreia do grupo, todas instrumentais, cinco são de Moacir. As outras, três belos temas com o perfume da influência do maestro ("Dia Seguinte", de Vinicius Pereira, "Ponto de Partida", de Anderson Quevedo, ambos integrantes do grupo, e "Pente Fino", de Vitor Cáffaro), somados à "Quintessência", de outro gigante pouco reconhecido, J.T. Meirelles. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.