Programa orienta homem do campo

Diariamente, o jornalista João Batista Olivi coloca no ar dois boletins informativos agrícolas que servem de orientação econômica, tanto para o pequeno agricultor, como para grandes produtores rurais. Produzido pela Olivídeo, de Campinas, interior de São Paulo, Notícias Agrícolas, é exibido às 6h30 e às 12h30 por 20 retransmissoras do SBT e quatro da TVE. O objetivo do noticiário é levar ao homem do campo dicas práticas de como investir melhor em sua produção. De acordo com Olivi, essas 24 emissoras que transmitem o programa têm um alcance de 717 municípios, o que seria correspondente a um milhão e meio de telespectadores. "E como o programa também segue pelo sistema Tecsat, de parabólicas, também temos audiência no Paraguai e Equador", garante.Com um orçamento limitado e poucos recursos, o programa surpreende ao alcançar até 9 pontos de audiência em regiões do interior de São Paulo, como Araçatuba, e 7 pontos em Varginha (Minas Gerais), além de também ser exibido por muitas cidades do Paraná. Dividido em cinco blocos, o programa traz cotações de produtos, reportagens e notícias fornecidas pelo serviço Agrocast, da Agência Estado. Ao todo, 21 pessoas trabalham na equipe na produção do noticiário, que conta com apenas três câmeras para as reportagens externas e uma para o estúdio. "O resultado disso tudo é muito interessante. As pessoas acordam mais cedo para saber por quanto é que vão poder vender seus produtos", explica Olivi, que além de diretor do Notícias Agrícolas também atua como repórter ao lado de outros cinco jornalistas especializados em agricultura. Quando elaborou o formato do programa, Olivi imaginou que, com seus conhecimentos jornalísticos na área, poderia estar colaborando com a difícil vida de quem se dedica ao ramo da agricultura e pecuária. "A maioria das pessoas que trabalha com atividade agrícola é pobre porque não sabe vender o que produz. E isso acontece porque essas pessoas também não sabem quanto vale seu serviço", ressalta. "Isto não acontece com as grandes corporações, que se informam através dos jornais e da mídia especializada".Para tentar reverter esse quadro, Olivi criou há quase quatro anos o Notícias Agrícolas, trazendo informações curtas e diretas para quem não domina o vocabulário utilizado pelos economistas. "A televisão é a mídia popular mais adequada para isso. No programa, a gente dá o preço da cebolinha, do alho, da batata, da cebola, sem deixar de dar as cotações da Bolsa Mercantil de Futuro, por exemplo", explica o jornalista, que também já foi repórter do "Fantástico". "Muitos agricultores da região de Vargem Grande e Araras, por exemplo, costumam assistir o Notícias Agrícolas para definir suas metas diárias", salienta.Globo Rural - Gravado com um dia de antecedência, o programa corre o risco de sair do ar diante da mais recente decisão da Rede Globo. A partir de outubro, o Globo Rural, noticiário apresentado nas manhãs de domingo há 20 anos, passará a ser exibido diariamente, às 6h30. Apesar do Departamento de Divulgação da emissora negar que a mudança ocorre por causa do programa de Olivi - que estaria chamando a atenção da Globo em função da boa audiência - o jornalista tem convicção de que o sucesso do Notícias Agrícolas está incomodando a concorrência. "Vão até exibir praticamente no mesmo horário", acrescenta.Por ter perdido vários anunciantes em função da crise econômica enfrentada pelo setor rural, Olivi afirma que passa por problemas para manter o programa no ar. "Estou indo para a jaula dos leões. Estou tentando provar para o SBT que o programa merece crédito e que também poderá render à emissora um bom lucro."Olivi conta que já tentou oferecer o programa à rede do SBT. "Por ser um programa pequeno e exibido no interior, não dão muita importância". De acordo com o jornalista, a sugestão de levar o Notícias Agrícolas para a transmissão nacional já foi apresentada em reuniões de diretores, mas até agora, nenhuma resposta foi obtida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.