Programa especial para a semana dos namorados

Foram cinco anos de Hannah Montana, quatro temporadas da série e um filme que transformaram Miley Cyrus numa favorita do público teen. Hannah, como High School Musical, é um fenômeno do Disney Channel. Um, mais country, o outro, urbano, destinam-se ao público teen. A fase agora é de transição e Miley ensaia seus passos rumo a um cinema mais adulto. Não é fácil. Peguem o exemplo de Hayley Mills, lendária estrela juvenil da Disney, nos anos 1960. Havia um culto a Hayley - existe até hoje -, mas sua carreira foi truncada. Ela não fez a passagem para a idade adulta frente às câmeras. Miley conseguirá?

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2010 | 00h00

Na entrevista ao lado, Miley conta que sempre teve gente atenta aos seus passos, cuidando da carreira, mas agora começa a fase das escolhas e ela terá de andar por conta própria. A escolha de Nicholas Sparks como autor da história original de A Última Música ajuda bastante. Autor de livros de sucesso - que viraram filmes também bem-sucedidos -, ele gosta das histórias humanas e certamente dispensa o glamour. A de A Última Música, a rigor, não é nova. Num determinado momento, a sucessão de infortúnios que se abate sobre a pobre heroína parece excessiva e injusta. A garota precisa superar os problemas com o pai e, para agravar, ele está enfermo. Envolve-se com a colega drogada, duvida se vai voltar a cantar. E tem o garoto da praia - o australiano "quente" Liam Hemsworth, como a natural de Nashville, Miley, gosta.

Ela toma um susto ao descobrir que o namorado é rico. Embora ele não faça o gênero mimado, a mãe do rapaz é dominadora e não simpatiza com a heroína. A Última Música é água com açúcar e não estreia hoje por acaso. A ideia é se beneficiar do clima romântico pré-Dia dos Namorados. Como Miley diz na entrevista, todo mundo deu o melhor de si. Nicholas Sparks capricha nas observações e a diretora Julie Anne Robinson segue seu roteiro sem titubear. Mas o que importa é o carisma de Miley. É a razão de ser do filme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.