"Programa do Ratinho" é advertido

Inicialmente excluídos da portaria 796, criada pelo Ministério da Justiça para classificações de programas de TV, os programas ao vivo começam a entrar no cerco. Hoje, a direção do Programa do Ratinho recebeu uma advertência - via telefone e fax - do promotor público Clilton Guimarães dos Santos, da Vara da Infância e da Juventude de São Paulo, por causa das cenas de uma criança de 3 anos sendo torturada (as imagens são de uma fita apreendida pela polícia na casa de Moacir Borelli, suspeito do seqüestro do avião da Vasp).Na advertência, conta o promotor, o Ministério Público solicita que o SBT não exiba mais as imagens. Segundo ele, foi o próprio ministro da Justiça, José Gregori, que solicitou a intervenção. "Caso o SBT não cumpra, estará ferindo a portaria e o Estatuto da Criança e do Adolescente. A punição pode vir em forma de multas ou ação reparatória. A suspensão da atração não é necessária no momento", disse o promotor."Concordo que exibimos imagens que causaram comoção nacional, mas crimes assim devem ser noticiados, são do interesse da sociedade", rebateu Fábio Furiatti, diretor do programa. "Mesmo assim, vamos acatar o que o Departamento Jurídico do SBT determinar."Banheira - Os advogados do SBT também avaliam o destino do quadro da banheira, do "Domingo Legal", classificado pelo Ministério Público Federal como "inadequado" para menores de 14 anos. Segundo o assessor do ministro da Justiça, Wilson de Oliveira, casos como esses abrem espaço para maior fiscalização em cima de programas ao vivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.