Imagem Lúcia Guimarães
Colunista
Lúcia Guimarães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Profissão: Inimigo

A veterana repórter política negra April Ryan revelou que contratou segurança particular

Lúcia Guimarães, O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2018 | 05h42

Ele tinha em casa dezenas de armas e centenas de munições. E prometeu aparecer na redação do jornal Boston Globe para matar os jornalistas. Numa das 14 ligações que fez com ameaças, repetiu o slogan do presidente que tanto admira – “inimigos do povo”. Robert Chain, de 68 anos, não chegou a comprar passagem para atravessar o país e cumprir sua ameaça até a quinta-feira passada, quando a polícia invadiu sua casa em Los Angeles e o levou para frente de um juiz pela acusação de um crime federal. Sua motivação, ele explicou nos telefonemas, fora a iniciativa do Globe, seguida por mais de 300 jornais americanos, de publicar editoriais defendendo a imprensa livre dos ataques do presidente. Sem passaporte e com as armas confiscadas, Chain, obteve habeas corpus e está livre para voltar ao passatempo de berrar quando assiste a notícias na TV.

No mesmo dia, o presidente voltou a chamar a imprensa de inimigos do povo, a expressão infame e usada para espalhar terror pelo ditador genocida Joseph Stalin, na primeira metade do século 20. Neste caso, o tuíte incluía uma vaga menção a livros, interpretada como um ataque preventivo ao novo livro de Bob Woodward, famoso pela cobertura do escândalo Watergate que forçou a renúncia de Richard Nixon, em 1974. O livro Fear: Trump in the White House (Medo: Trump na Casa Branca) sai no dia 11 de setembro, deve ser rico em vazamentos e promete ser mais uma colonoscopia como as que Woodward fez com outras presidências.

Em junho passado, Jerrod Ramos cumpriu sua ameaça contra outro jornal. Invadiu a redação do Capital Gazette, em Annapolis, Maryland e matou cinco pessoas. Ele tinha simpatia por extremistas de ultradireita. Um detalhe: Ramos nutria ódio a jornalistas há anos e, em 2011, a polícia não encontrou motivo para prendê-lo, quando ameaçou matar o então publisher do Gazette, Tom Marquardt. Qual a diferença entre 2011 e 2018?

Três semanas depois do massacre em Annapolis, o publisher do New York Times aceitou um convite do presidente para visitar a Casa Branca. Mais uma vez, o tuiteiro chefe mentiu sobre um diálogo que seria em off e descreveu o encontro como uma discussão sobre notícias falsas e “inimigos do povo.” Liberado pela divulgação do encontro, o publisher A.G. Sulzberger emitiu um enérgico desmentido, afirmando que aceitara o convite para dizer que a retórica anti-imprensa estava colocando em risco a vida de jornalistas, especialmente em autocracias no exterior.

Um mês depois, o repórter Ken Vogel, do bureau do New York Times na capital, ouviu a seguinte mensagem no seu telefone: “Vocês são o problema. Vocês são o inimigo do povo. E, embora a pena seja mais forte do que a espada, a pena não é mais forte do que uma AK-47,” em referência ao popular rifle de assalto russo.

A veterana repórter política negra April Ryan revelou que contratou segurança particular porque recebe ameaças de morte. “O presidente colocou um alvo na minha cabeça,” acusa Ryan.

Assim como o submundo da supremacia branca não nasceu na campanha presidencial que começou há três anos, a hostilidade a jornalistas é tão antiga quanto a profissão. A diferença é a normalização institucional do extremismo telegrafada da sede do poder e o que vemos em 2018 era facilmente previsível desde o início da campanha.

Como a internet é para sempre, não é difícil googlar os jornalistas brasileiros que festejaram o resultado da eleição americana de 2016 como uma derrota do esquerdismo, numa demonstração notável de ignorância e pusilanimidade. Hoje, os mesmos comentaristas disfarçam como quem, responsável pelo odor da flatulência no elevador, tenta não ser notado. Não devem ser esquecidos. Devem ser lembrados como inimigos da liberdade de expressão.

Mais conteúdo sobre:
imprensa Robert Chain The Boston Globe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.