Divulgação
Divulgação

Produtoras brasileiras fazem sucesso com animações

Pelo menos quatro produções brigam por audiência em iguais condições com estrangeiras

AE, Agência Estado

08 de fevereiro de 2011 | 11h46

Há menos de quatro anos, não havia nenhuma animação nacional na grade dos canais infantis das TVs por assinatura e aberta. Hoje, pelo menos quatro produções brigam em iguais condições pela atenção das crianças entre 3 e 7 anos no Brasil. O que mudou? A forma como as empresas de animação passaram a captar recursos e o interesse do governo em financiar ou beneficiar esses projetos em leis de incentivos fiscais. Segundo os produtores nacionais, não adianta produzir apenas para o Brasil. É preciso fazer animação visando o mercado mundial.

O resultado é que desenhos como Meu Amigãozão, Peixonauta, Escola Pra Cachorro e Princesas do Mar, além do já tradicional Cocoricó, da TV Cultura, são programas tão íntimos das crianças quanto os gringos Backyardigans, Barney e Vila Sésamo. Andrés Lieban, um dos criadores da série Meu Amigãozão, que passa no canal Discovery Kids, conta que o Brasil se manteve fora do mercado até então por não ter a capacidade de produzir desenhos na velocidade e com preços que fossem acessíveis no mercado internacional. "A animação teve prioridade para o governo porque a possibilidade de retorno financeiro é maior", diz Lieban. "Criamos uma série que fala de assuntos universais, como amizade, por exemplo. Depois de dublado, a criança nem percebe de onde vem a animação e por isso é mais fácil vendê-la".

Para produzir Meu Amigãozão, a produtora de Lieban, a 2Dlab, foi levantar recursos com a produtora Breakthrough Animation, do Canadá, que coproduz a série e divide os custos pela metade. A empresa brasileira, foi autorizada pelo Ministério da Cultura a captar no Brasil quase R$ 12 milhões, utilizando leis de incentivo. "Tentamos fazer uma animação sem referências internacionais, como crianças jogando basebol".

Do Canadá, veio metade dos R$ 20 milhões investidos na produção de Escola Pra Cachorro, exibida no canal Nickelodeon e produzida pela Mixer. A outra metade foi bancada por leis de incentivo do Ministério da Cultura. "Acredito que exista um movimento no Brasil para a criação de animações nacionais", diz Tiago Mello, diretor executivo da área de infanto-juvenil da produtora. "Esse movimento começou há uns cinco anos, quando as produtoras passaram a procurar parceiros no exterior", destaca. Segundo a Nickelodeon, a animação foi responsável por aumentarem 67% a audiência do canal, de segunda à sexta, às 9h. No México e na Argentina, a audiência cresceu 32% e 131% respectivamente.

Princesas do Mar, exibida no Discovery Kids, também foi buscar parte dos recursos no exterior, algo em torno de R$ 10 milhões - a série custou R$ 23 milhões. "Conhecemos produtoras da Austrália e da Espanha, que nos auxiliam na série", diz Fábio Yabu, criador da animação. Hoje, o desenho, que fala sobre princesas que vivem no oceano e ensinam as crianças a escovar os dentes e tomar banho, entre outras, é exibido em 50 países.

Mas o maior sucesso brasileiro do canal é o desenho Peixonauta. Segundo o Ibope, a animação foi a terceira mais vista no último trimestre de 2010, perdendo apenas para Mister Maker (que não é uma animação) e Mecanimais, ambas produções estrangeiras. Entre todas as atrações do Discovery, os brasileiros Princesas do Mar e Meu Amigãozão figuram entre os dez mais. Peixonauta conta a história de um peixinho que usa uma roupa de astronauta para descobrir a vida fora da água. A animação é exibida no Discovery Kids e também no exterior, em países como Tailândia, Israel, Egito e Iugoslávia. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
televisãoanimaçãoinfantil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.