Produtor francês defende democratização do caviar

Por John Irish e Elizabeth Pineau

REUTERS

23 de novembro de 2010 | 16h00

PARIS (Reuters Life!) - Há anos o caviar é associado aos czares russos ou aos xás do Irã, mas um grande exportador francês planeja agora uma revolução para levar as caras ovas de peixe às massas.

Com uma história que remonta a 1872, a Prunier House é mais conhecida pelo seu fantástico restaurante em Paris, nas proximidades da Champs Elysées, que recebe políticos, estrelas de cinema e celebridades todos os dias.

No centro de seu cardápio há um ingrediente-chave: um caviar de fabricação própria proveniente de um cardume de esturjões criados pelos últimos 20 anos no estuário do rio Dordogne, aproximadamente 550 quilômetros a sudoeste da capital francesa.

Agora, com o risco de extinção do esturjão e com o aumento da aceitação do caviar cultivado, a Prunier aumentou sua produção e cortou os preços tendo em vista um mercado mais amplo.

"Estamos tentando democratizar o caviar", disse à Reuters o gerente geral da Prunier, Nicolas Barruyer.

"Queremos uma clientela mais jovem e mais ampla... assim como os diamantes e o champanhe, o caviar é como colocar um ponto de exclamação aos momentos felizes da vida."

Tudo o que sabemos sobre:
ODDFRANCACAVIAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.