Produtor de"Os Simpsons" pede desculpas

Em comunicado curto distribuído ontem à imprensa, o produtor-executivo James L. Brooks, do desenho animado Os Simpsons, pediu desculpas à cidade e ao povo do Rio pelos excessos e distorções cometidos pelo episódio Blame it on Lisa, que mostra uma viagem da família Simpsons ao Brasil. Brooks, de 62 anos, ganhador de 8 prêmios Emmy, além de muitos Globos de Ouro, disse que queria pedir desculpas "à adorável cidade e ao povo do Rio de Janeiro" e emendou, para não trair o senso de humor cáustico do seriado: "E se isso não encerrar o episódio, Homer Simpson aceita disputar uma luta de boxe com o presidente do Brasil no Celebrity Boxing", finalizou. O produtor referiu-se à declaração do porta-voz do presidente Fernando Henrique Cardoso, Alexandre Parola, que apontava "uma visão distorcida da realidade brasileira" no seriado americano. O programa Celebrity Boxing, que passa também na Fox, mostra celebridades disputando lutas montadas. Brooks também é autor, ator e diretor de filmes. Foi um dos criadores e produtor-executivo de The Mary Tyler Moore Show (1970-1977). Diante do pedido de desculpa do produtor, o secretário municipal de Turismo, José Eduardo Guinle, anunciou ontem que desistiu do processo contra a Fox Cable International, que produz o desenho. Guinle fará um protesto formal por e-mail à Fox e manterá o pedido de doações às obras sociais da prefeitura, "já que eles estão preocupados com os órfãos cariocas", justifica o secretário. "Se eu presidisse uma empresa minha, particular, manteria a ação. Mas sou secretário e presido uma empresa pública (a Riotur, empresa de turismo do município). Não posso correr o risco de perder uma ação cara", afirmou Guinle. O caráter satírico de Os Simpsons já teve um pedido de desculpas em seus antecedentes. O criador da série, o cartunista Matt Groening, pediu desculpas ao povo australiano por divulgar "estereótipos" do País em episódio recente. "Nós não sabíamos nada sobre a Austrália. Sabemos apenas que fizemos algo errado, então decidimos assumir o erro do jeito mais simples", afirmou Groening. No caso Rio, no entanto, ele não se manifestou, restando ao produtor a tarefa de fazer isso. A repercussão do caso "Simpsons contra o Rio" correu a Internet. O site I-feminists.com, de militantes feministas, destacou o episódio e ressaltou que a série de animação já tem antecedentes de preconceito. Em diversos sites, como no The Simpsons Sea, fãs discutiram a questão. No fórum de fãs do site oficial dos Simpsons (Thesimpsons.com), um admirador reclamou de ter sua mensagem de protesto deletada. "Não tem problema, o mundo inteiro viu quão ridículo foi esse episódio", afirma, advertindo produtor e autores do seriado. "Tenham cuidado sobre o que escrevem e o que mostram sobre outros países, eles podem não gostar - se vocês realmente se importam com o resto do mundo". Idiotia - Segundo Robert Thompson, professor de Cinema e Televisão na Syracuse University, a cultura americana é marcada por uma "afeição pela idiotia". Perto de seu 300.º episódio, Os Simpsons canalizariam hoje parte dessa afeição por intermédio de Homer. "Homer emergiu como um dos mais fascinantes personagens de toda a literatura americana", diz o pesquisador. "Ele é esse personagem profundamente idiota, mas há uma nobreza em sua estupidez", considera.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.