Produções 'caseiras' ganham destaque no Itaú Cultural

Eles têm poucos recursos financeiros, lidam com condições técnicas precárias, são quase sempre autodidatas e, principalmente, o que os une é a vontade de fazer cinema. As produções desses realizadores, que podem ser classificadas, sem nenhum demérito, como "toscas", são as estrelas da mostra Cinema de Bordas, cuja quarta edição acontece até domingo, 5, no Itaú Cultural.

AE, Agência Estado

03 de agosto de 2012 | 10h31

O termo "cinema de bordas" foi criado pela pesquisadora e doutora em cinema Bernadette Lyra, que é uma das curadoras do festival desde a primeira edição, em 2009. "Ele oscila entre as bordas do cinemão popular e do cinema que já está visto e revisto de uma maneira midiaticamente mostrada, o cinema de exibição comercial", explica Bernadette.

Se um filme nacional mais ligado à indústria cinematográfica tradicional já encontra dificuldades para ser exibido, para essas produções "caseiras", a mostra é uma boa oportunidade de serem vistas pelo público. E o filme A Maudição (sic) da Casa de Vanirim, que passa nesta sexta, numa seleção que começa às 20h, finalmente encontra sua audiência. A fita VHS com a gravação da produção, realizada na cidade capixaba de Mantenópolis, ficou perdida por 15 anos até ser encontrada pelo seu diretor, Manoel Loreno, o "Seu" Manoelzinho. Ele e outros realizadores vão conversar com o público.

Nesta sexta e amanhã, 4, as sessões são às 18h e às 20h. No domingo, às 16h e às 18h. Os ingressos gratuitos são distribuídos com meia hora de antecedência.

Mostra Cinema de Bordas - Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, Cerqueira César. 2168-1776. Até domingo. Hoje e amanhã, às 18h e às 20h; domingo, às 16h e às 18h. Grátis. (ingressos devem ser retirados meia hora antes de cada sessão).

As informações são do Jornal da Tarde

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaMostra Cinema de Bordas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.