Príncipe faz curso sobre diversidade após ofender asiático

O príncipe Harry foi colocado em um curso de igualdade e diversidade do Exército, depois de ser reprimido por ter chamado um colega asiático de "Paki" (apelido ofensivo dado a paquistaneses), informou o jornal Daily Mirror na quinta-feira. O príncipe de 24 anos divulgou um pedido de desculpas depois de ter feito os comentários, registrados em vídeo e publicados em 2006 no site de um jornal. Ele disse que não teve malícia racista ao dizer aquilo. O primeiro-ministro, Gordon Brown, está entre as pessoas que condenaram Harry, que é neto da rainha Elizabeth e terceiro na linha de sucessão ao trono. Este será o segundo curso do tipo a que Harry se submete. Mas, desta vez, as aulas serão mais intensivas, segundo o jornal. O jornal acrescentou que o príncipe já recebeu reprimendas formais, e a ofensa agrava os seus registros militares. Em alguns dos vídeos publicados, Harry está detrás da câmera e pode ser ouvido caçoando do colega. "Está todo mundo aqui... ah, e também o nosso amigo 'Paki', Ahmed", disse Harry, dando um zoom no rosto de um cadete asiático, enquanto o grupo esperava em um aeroporto para embarcar num vôo para o Chipre. A gravação foi feita um ano depois de Harry ser flagrado usando um uniforme com a suástica nazista, em uma festa a fantasia. A gafe despertou protestos internacionais. Uma porta-voz da família real disse que a questão já está resolvida. "O príncipe Harry pediu desculpas por seus comentários", disse. "Ele se sujeitou aos procedimentos disciplinares normais do Exército, como qualquer outro militar". (Reportagem de Tim Castle)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.