Primavera dos Livros começa em momento crítico

As pequenas e médias editoras brasileiras iniciam hoje no Rio seu mais importante evento, a Primavera de Livros, dispostas a enfrentar um grave problema: o evento começa com a apresentação de uma pesquisa que aponta para a agonia do mercado editorial. Realizada pelo Grupo de Pesquisa em Economia do Entretenimento, do Instituto de Economia da UFRJ, e encomendada pelo BNDES, a pesquisa mostra que nenhum país no mundo gasta tão pouco com suas bibliotecas como o Brasil. E que cada uma das 13 maiores editoras do mundo vende sozinha mais que todas as editoras instaladas no País juntas. "A situação é crítica, pois o mercado encolheu 50% nos últimos anos, mas há opções inteligentes para se recuperar terreno", comenta Cristina Warth, que comanda a editora Pallas e é vice-presidente da Libre, a Liga Brasileira de Editores, organizadora da Primavera. A entidade surgiu em agosto de 2002, quando profissionais descontentes com as tradicionais Bienais do Livro uniram-se. Agora, eles buscam alternativas para enfrentar uma realidade pouco festiva. Na edição da Primavera dos Livros que começa hoje, no Jockey Club da Gávea, estão presentes 80 editoras nacionais, algumas pela primeira vez na feira. É que, no primeiro semestre, a entidade ganhou 20 novos membros. E, além dos representantes brasileiros, a Primavera, que terá uma edição paulistana em outubro, conta com uma novidade: a presença de cinco editoras estrangeiras (quatro da África e uma de Portugal). "Elas vieram com a intenção de reforçar nosso plano de estipular uma produção solidária, ou seja, compartilhar a produção de livros em diversos países", conta Cristina. Um grande passo na realização de acordos poderá ser dado no próximo mês, quando a Libre terá, pela primeira vez, um estande no maior evento editorial do planeta, a Feira de Frankfurt. A entidade pretende apresentar o catálogo de seus participantes e negociar com pequenas e médias editoras estrangeiras. Além da participação de editores de outros países, a Primavera dos Livros que começa hoje com eventos fechados e abre amanhã para o público tem outras novidades. Como sessões de autógrafos dos autores - amanhã, a partir das 20 horas, por exemplo, ocorre um triplo lançamento da Relume Dumará em parceria com a Rioarte em suas coleções Perfis do Rio e Cantos do Rio. O editor-executivo do Estado, Daniel Piza, lança Paulo Francis, ao lado de Lauro Cavalcanti (Sérgio Bernardes) e Hélio Brasil (São Cristóvão). Pela primeira vez também a Primavera terá um patrono e o primeiro será o poeta Ferreira Gullar, que faz palestra amanhã, às 18 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.