Presença japonesa no Brasil

Mais de um século depois da chegada dos primeiros imigrantes do Japão ao Brasil, não é simples identificar o real impacto dessa presença por aqui. Prova disso foram as celebrações do centenário da imigração, em 2008, cuja repercussão superou as melhores expectativas dos representantes da comunidade japonesa envolvidos na organização.

, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2011 | 00h00

Foi da tentativa de entender esse apreço pela causa que, em outubro de 2009, organizou-se o Simpósio de Avaliação do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil, cujas conclusões saem agora no livro Centenário: Contribuição da Imigração Japonesa para o Brasil Moderno e Multicultural (Paulos, 488 págs., inf.: secretaria@centenario2008.org.br), com textos de vários autores e, na capa, uma obra da artista Tomie Ohtake.

Com lançamento hoje, no Instituto Tomie Ohtake - ocasião em que serão homenageados a artista e seus filhos, o arquiteto Ruy Ohtake e o designer gráfico Ricardo Ohtake -, a obra resulta dos trabalhos conjuntos do Instituto Brasil-Japão de Integração Cultural e Social e da Associação para Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no País. Os debates, cujas reflexões são retomadas no livro, dividiram-se em oito grupos, nos quais se envolveram mais de 120 especialistas e 25 debatedores.

O que se procurou entender, como escreve o desembargador Kazuo Watanabe na apresentação, foram "fatos, contribuições e perspectivas futuras relacionadas à imigração japonesa no Brasil". Entre outros temas, são analisados o espírito coletivo (coordenação de Célia Sakurai); a relação Brasil-Japão (Décio Issamu Nakagawa e Kiyoko Yanagida Nakagawa); as contribuições no esporte e no entretenimento (Ii-Sei Watanabe e Reimei Yoshioka), nas áreas de conhecimento (Sedi Hirano), na agricultura e na economia (Isidoro Yamanaka e Minoru Sakate) e na alimentação (Koichi Mori e Lumi Toyoda); e o futuro da cultura japonesa no Brasil.

"Um tema para o qual não há resposta diz respeito à permanência do idioma no Brasil. Eu me pergunto sobre o destino do ensino da língua", diz Jorge J. Okubaro, editorialista do Estado, responsável pelo debate sobre a presença nipônica na mídia. Ken Shimanouchi, embaixador do Japão no Brasil durante os eventos do centenário, e Kazuaki Obe, atual cônsul-geral do Japão em São Paulo, também assinam textos.

CENTENÁRIO: CONTRIBUIÇÃO DA IMIGRAÇÃO JAPONESA PARA O BRASIL MODERNO E MULTICULTURAL

Instituto Tomie Ohtake.

Rua dos Coropés, 88, telefone 3814-0705. Hoje, às 19h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.