Prêmio Shell para os melhores dos palcos em SP

Cerimônia apontou os melhores, como a peça 'Memória da Cana', que levou dois troféus

Lucas Nobile, de O Estado de S. Paulo,

13 Abril 2010 | 17h42

A entrega do Prêmio Shell de Teatro, na noite de anteontem, no Estação São Paulo, em Pinheiros, foi mais curta que o atraso da cerimônia. Marcado para as 20 h, teve início às 21h20. Com discursos breves e objetivos, a cerimônia durou 1h15 minutos.

 

Memória da Cana, adaptação de Álbum de Família, de Nelson Rodrigues, tinha o maior número de indicações, concorrendo por direção, cenário, figurino e iluminação. Levou as duas primeiras. Emocionado, Newton Moreno, que dividiu o melhor cenário com Marcelo Andrade, dedicou seu prêmio de diretor a Marcio Aurélio, que estava na plateia.

 

Infelizmente, a premiação (a única que ainda prestigia exclusivamente a classe teatral, depois dos extintos prêmios Molière e Apetesp) foi esvaziada pela ausência de alguns vencedores. Fernanda Montenegro, melhor atriz por Viver Sem Tempos Mortos, justificou estar presa no Rio por causa das chuvas. O melhor ator, João Miguel, por Só, também faltou. Luiz Päetow, vencedor em iluminação, por Music Hall, não foi por problemas de saúde.

 

Wanda Sgarbi venceu em figurino, por O Capitão e a Sereia, do grupo Clowns de Shakespeare, e William Guedes fez a melhor música, Concerto de Ispinho e Fulô, inspirada na obra de Patativa do Assaré. "Esse troféu premia o espetáculo todo, com atores fazendo música e músicos fazendo teatro", disse Guedes.

 

Na categoria especial, a contemplada foi a Cia. São Jorge de Variedades pela pesquisa e criação de Quem não Sabe mais Quem É, o que É e Onde Está Precisa se Mexer. Como melhor autor, ganhou Rafael Primot, de O Livro dos Monstros Guardados. "A gente nem sabia se esse texto era teatro mesmo. Agradeço ao Zé Henrique de Paula (o diretor), a Sandra Corveloni e a meu pai, que ficou três semanas sem falar comigo depois de ler o texto."

 

A 22.ª edição do prêmio terminou com uma homenagem ao ator e diretor Fernando Peixoto, que, aplaudido de pé, assistiu a imagens no telão de peças em que trabalhou (Calabar, Mortos Sem Sepultura, Tambores na Noite e Um Grito Parado no Ar).

 

Autor

Rafael Primot (O Livro dos Monstros Guardados)

Direção

Newton Moreno (Memória da Cana)

Ator

João Miguel (Só)

Atriz

Fernanda Montenegro (Viver sem Tempos Mortos)

Cenário

Marcelo Andrade e Newton Moreno (Memória da Cana)

Figurino

Wanda Sgarbi (O Capitão e a Sereia)

Música

William Guedes (Concerto de Ispinho e Fulô)

Mais conteúdo sobre:
Prêmio Shell de Teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.