DIvulgação
DIvulgação

Prêmio Nobel de Literatura vai para Alice Munro

Escritora é a décima terceira mulher a receber o Prêmio Nobel.

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2013 | 08h14

O Prêmio Nobel de Literatura de 2013 será entregue à escritora canadense Alice Munro, caracterizada pelo secretário da Academia Sueca Peter Englund como "mestre do conto contemporâneo". Ela é a décima terceira mulher a receber prêmio.

Aos 82 anos, a autora anunciou recentemente em entrevista ao jornal "The New York Times" que decidiu parar de escrever para poder se dedicar à família e ter uma rotina "normal". Após uma operação no coração e um tratamento de câncer, em 2009, ela disse que "pareceu natural fazer aquilo que outras pessoas de 80 anos de idade fazem". E acrescentou, com bom humor. "Só preciso que alguém me conte o que é que eles fazem".

Questionado sobre a decisão da escritora de abandonar a literatura, Peter Englund disse que "ela com certeza já criou textos marcantes o suficiente para que pudesse receber o Nobel".

Definida pela escritora norte-americana Cyhthia Ozick como a 'Chekov' de língua inglesa, Alice Munro nasceu em Wingham, Ontário, em julho de 1931. E uma das características marcantes de sua obra, ressaltada por Englund em entrevista após o anúncio de seu nome, é justamente o modo como o local e o universal se articulam em suas histórias.

A vida nas pequenas cidades, no entanto, não é caracterizada de modo idílico pela autora. "Muitas histórias de Alice Munro são ambientadas em Ontário, onde nasceu e reside até hoje. Esse apego regional em seus contos confere às histórias certo intimismo, mas também revela a crueldade dos "pacatos" habitantes das pequenas cidades. Nos 11 livros da escritora canadense, a perversidade e o tema do envelhecimento predominam", escreveu o crítico Antonio Gonçalves Filho sobre a coletâneade contos Felicidade Demais. "Pouca coisa acontece em seus contos. O que importa mesmo é a forma com que essa canadense vê um mundo deformado - literalmente, no caso do conto Rosto, sobre um garoto com uma mancha na face, que o pai não suporta ver. Alice Munro encara. E escreve obras-primas."

Em maio, foi lançada no Brasil pela Companhia das Letras a coletânea de contos O Amor de uma Boa Mulher, publicada originalmente em 1998. Felicidade Demais, Fugitiva e Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento também estão disponíveis em português.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.