Prefeitura promete novo planetário em SP

Promessa de várias gestões, a construção de um planetário na zona leste de São Paulo deve ser iniciada no próximo ano, segundo anúncio feito hoje pela prefeita Marta Suplicy (PT). O nome do observatório já foi escolhido. Será Milton Santos, em homenagem ao professor emérito da Faculdade de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), que morreu no domingo. Marta garantiu ainda que vai reformar o Planetário Municipal do Parque do Ibirapuera."É uma homenagem a esse grande homem. Eu mesma vou contar a novidade para sua viúva", afirmou a prefeita. Marta disse estar satisfeita por ter arrumado um bem público "à altura de Milton Santos". "Como geógrafo, ele foi uma pessoa revolucionária e interessada em tudo. Espero que ele, de onde esteja, fique muito feliz."Durante lançamento do Programa Recreio nas Férias, no Sesc Vila Mariana, na zona sul, a prefeita explicou que não escolheu o bairro que abrigará o planetário. Apesar disso, Marta garantiu que o projeto vai começar a ser elaborado ainda este ano.Segundo a secretária do Meio Ambiente, Stela Goldenstein o investimento está estimado entre R$ 1,5 millhão e R$ 2 milhões. Stela justificou a região leste como local escolhido por ser uma área de grande densidade populacional. "A prefeita sempre nos colocou a necessidade de investimentos culturais e educacionais para revigorar essa região."Fechado desde o fim de 1999, o planetário do Ibirapuera é uma marca da falta de incentivo da administração municipal. O prédio foi interditado em 22 de dezembro de 1999 pelo Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru) da Prefeitura, por estar ameaçado pela ação de cupins e pelas infiltrações.Reforma - Uma reforma geral no local, que ficou fechado outras quatro vezes desde sua inauguração, em 1957, sairia por R$ 1,5 milhão, segundo cálculos iniciais da Prefeitura. Os aparelhos para os dois planetários - parte dos que vão para o observatório da zona leste já foi comprada - estão abandonados.Um deles, o projetor modelo Zeiss, fabricado em 1942 pela indústria alemã Carl Zeiss Jena, ainda estava encapado no auditório do planetário, no início deste ano. O outro projetor, um Universarium 8 da mesma empresa, foi importado por R$ 4 milhões na gestão do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB).A reabertura do planetário exige serviços de descupinização e limpeza e obras de reconstrução do teto, impermeabilização interna e externa do prédio, reformulação da parte elétrica e revisão de equipamentos de segurança. Durante a administração de Celso Pitta (PTN) foram abertas duas licitações para descupinização e limpeza. Nenhuma chegou a ser concluída.Só foram feitos serviços preliminares, como a retirada de carpete, dos revestimentos das paredes, dos projetores auxiliares e de peças internas do projetor principal. Desde a inauguração, 4 milhões de pessoas visitaram o planetário. Os cerca de 130 mil visitantes anuais incluíam estudantes de mil escolas, em média, de São Paulo e do interior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.