'Posso contar meu tempo através de mim'

Entrevista com Denise Stoklos, atriz, diretora e dramaturga

Entrevista com

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2013 | 02h13

Quando você criou espetáculos como Vozes Dissonantes, sobre os 500 anos do Descobrimento do Brasil, havia ali um retrato pessimista, mas alguma esperança. Isso mudou?

Denise Stoklos - A gente tinha, sim, uma esperança ali. Mas a gente precisa ter sempre, ou a gente desiste, acaba. Esperança, aliás, é uma palavra proibida para os deleuzianos, porque esperança é esperar e não fazer. Acho que enxergar é importante. E a nossa luta, no teatro, é refletir sobre a natureza humana.

Os seus espetáculos continuam se transformando mesmo após a estreia. Como esse processo funciona?

Denise Stoklos - Meus trabalhos são sempre work in progress. As peças vão mudando, o público funciona um pouco como assistente de direção, não é apenas voyeur. É só depois de um ano em cartaz que a forma do espetáculo costuma se estabelecer.

Há anos você trabalha praticamente sozinha, escrevendo, atuando e dirigindo. Por que essa opção?

Denise Stoklos - Faço desse jeito desde criança, escolhendo aquilo que me toca. Me coloco como intérprete da minha situação histórica - não da minha pessoa, do meu ego, que é muito pequeno - mas do meu ser social. Acredito que possa contar a história do meu tempo através de mim e que isso reflita em cada um na plateia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.